23 de dezembro de 2011

Feliz Natal!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Marden, Lúcia, João Victor e Bruno.

Homenagem aos amigos, leitores e seguidores do Blog do Marden Ramalho uma reflexão de Carlos Drumond de Andrade

Poeta Mineiro, Carlos Drumond de Andrade, Organiza o Natal Carlos Drummond de Andrade Alguém observou que cada vez mais o ano se compõe de 10 meses; imperfeitamente embora, o resto é Natal. É possível que, com o tempo, essa divisão se inverta: 10 meses de Natal e 2 meses de ano vulgarmente dito. E não parece absurdo imaginar que, pelo desenvolvimento da linha, e pela melhoria do homem, o ano inteiro se converta em Natal, abolindo-se a era civil, com suas obrigações enfadonhas ou malignas. Será bom. Então nos amaremos e nos desejaremos felicidades ininterruptamente, de manhã à noite, de uma rua a outra, de continente a continente, de cortina de ferro à cortina de nylon — sem cortinas. Governo e oposição, neutros, super e subdesenvolvidos, marcianos, bichos, plantas entrarão em regime de fraternidade. Os objetos se impregnarão de espírito natalino, e veremos o desenho animado, reino da crueldade, transposto para o reino do amor: a máquina de lavar roupa abraçada ao flamboyant, núpcias da flauta e do ovo, a betoneira com o sagüi ou com o vestido de baile. E o supra-realismo, justificado espiritualmente, será uma chave para o mundo. Completado o ciclo histórico, os bens serão repartidos por si mesmos entre nossos irmãos, isto é, com todos os viventes e elementos da terra, água, ar e alma. Não haverá mais cartas de cobrança, de descompostura nem de suicídio. O correio só transportará correspondência gentil, de preferência postais de Chagall, em que noivos e burrinhos circulam na atmosfera, pastando flores; toda pintura, inclusive o borrão, estará a serviço do entendimento afetuoso. A crítica de arte se dissolverá jovialmente, a menos que prefira tomar a forma de um sininho cristalino, a badalar sem erudição nem pretensão, celebrando o Advento. A poesia escrita se identificará com o perfume das moitas antes do amanhecer, despojando-se do uso do som. Para que livros? perguntará um anjo e, sorrindo, mostrará a terra impressa com as tintas do sol e das galáxias, aberta à maneira de um livro. A música permanecerá a mesma, tal qual Palestrina e Mozart a deixaram; equívocos e divertimentos musicais serão arquivados, sem humilhação para ninguém. Com economia para os povos desaparecerão suavemente classes armadas e semi-armadas, repartições arrecadadoras, polícia e fiscais de toda espécie. Uma palavra será descoberta no dicionário: paz. O trabalho deixará de ser imposição para constituir o sentido natural da vida, sob a jurisdição desses incansáveis trabalhadores, que são os lírios do campo. Salário de cada um: a alegria que tiver merecido. Nem juntas de conciliação nem tribunais de justiça, pois tudo estará conciliado na ordem do amor. Todo mundo se rirá do dinheiro e das arcas que o guardavam, e que passarão a depósito de doces, para visitas. Haverá dois jardins para cada habitante, um exterior, outro interior, comunicando-se por um atalho invisível. A morte não será procurada nem esquivada, e o homem compreenderá a existência da noite, como já compreendera a da manhã. O mundo será administrado exclusivamente pelas crianças, e elas farão o que bem entenderem das restantes instituições caducas, a Universidade inclusive. E será Natal para sempre. Ah! Seria ótimo se os sonhos do poeta se transformassem em realidade. Texto extraído do livro "Cadeira de Balanço", Livraria José Olympio Editora - Rio de Janeiro, 1972, pág. 52. Conheça o autor e sua obra visitando "Biografias". Organiza o Natal Carlos Drummond de Andrade Alguém observou que cada vez mais o ano se compõe de 10 meses; imperfeitamente embora, o resto é Natal. É possível que, com o tempo, essa divisão se inverta: 10 meses de Natal e 2 meses de ano vulgarmente dito. E não parece absurdo imaginar que, pelo desenvolvimento da linha, e pela melhoria do homem, o ano inteiro se converta em Natal, abolindo-se a era civil, com suas obrigações enfadonhas ou malignas. Será bom. Então nos amaremos e nos desejaremos felicidades ininterruptamente, de manhã à noite, de uma rua a outra, de continente a continente, de cortina de ferro à cortina de nylon — sem cortinas. Governo e oposição, neutros, super e subdesenvolvidos, marcianos, bichos, plantas entrarão em regime de fraternidade. Os objetos se impregnarão de espírito natalino, e veremos o desenho animado, reino da crueldade, transposto para o reino do amor: a máquina de lavar roupa abraçada ao flamboyant, núpcias da flauta e do ovo, a betoneira com o sagüi ou com o vestido de baile. E o supra-realismo, justificado espiritualmente, será uma chave para o mundo. Completado o ciclo histórico, os bens serão repartidos por si mesmos entre nossos irmãos, isto é, com todos os viventes e elementos da terra, água, ar e alma. Não haverá mais cartas de cobrança, de descompostura nem de suicídio. O correio só transportará correspondência gentil, de preferência postais de Chagall, em que noivos e burrinhos circulam na atmosfera, pastando flores; toda pintura, inclusive o borrão, estará a serviço do entendimento afetuoso. A crítica de arte se dissolverá jovialmente, a menos que prefira tomar a forma de um sininho cristalino, a badalar sem erudição nem pretensão, celebrando o Advento. A poesia escrita se identificará com o perfume das moitas antes do amanhecer, despojando-se do uso do som. Para que livros? perguntará um anjo e, sorrindo, mostrará a terra impressa com as tintas do sol e das galáxias, aberta à maneira de um livro. A música permanecerá a mesma, tal qual Palestrina e Mozart a deixaram; equívocos e divertimentos musicais serão arquivados, sem humilhação para ninguém. Com economia para os povos desaparecerão suavemente classes armadas e semi-armadas, repartições arrecadadoras, polícia e fiscais de toda espécie. Uma palavra será descoberta no dicionário: paz. O trabalho deixará de ser imposição para constituir o sentido natural da vida, sob a jurisdição desses incansáveis trabalhadores, que são os lírios do campo. Salário de cada um: a alegria que tiver merecido. Nem juntas de conciliação nem tribunais de justiça, pois tudo estará conciliado na ordem do amor. Todo mundo se rirá do dinheiro e das arcas que o guardavam, e que passarão a depósito de doces, para visitas. Haverá dois jardins para cada habitante, um exterior, outro interior, comunicando-se por um atalho invisível. A morte não será procurada nem esquivada, e o homem compreenderá a existência da noite, como já compreendera a da manhã. O mundo será administrado exclusivamente pelas crianças, e elas farão o que bem entenderem das restantes instituições caducas, a Universidade inclusive. E será Natal para sempre. Ah! Seria ótimo se os sonhos do poeta se transformassem em realidade. Texto extraído do livro "Cadeira de Balanço", Livraria José Olympio Editora - Rio de Janeiro, 1972, pág. 52. Conheça o autor e sua obra visitando "Biografias". Organiza o Natal Carlos Drummond de Andrade Alguém observou que cada vez mais o ano se compõe de 10 meses; imperfeitamente embora, o resto é Natal. É possível que, com o tempo, essa divisão se inverta: 10 meses de Natal e 2 meses de ano vulgarmente dito. E não parece absurdo imaginar que, pelo desenvolvimento da linha, e pela melhoria do homem, o ano inteiro se converta em Natal, abolindo-se a era civil, com suas obrigações enfadonhas ou malignas. Será bom. Então nos amaremos e nos desejaremos felicidades ininterruptamente, de manhã à noite, de uma rua a outra, de continente a continente, de cortina de ferro à cortina de nylon — sem cortinas. Governo e oposição, neutros, super e subdesenvolvidos, marcianos, bichos, plantas entrarão em regime de fraternidade. Os objetos se impregnarão de espírito natalino, e veremos o desenho animado, reino da crueldade, transposto para o reino do amor: a máquina de lavar roupa abraçada ao flamboyant, núpcias da flauta e do ovo, a betoneira com o sagüi ou com o vestido de baile. E o supra-realismo, justificado espiritualmente, será uma chave para o mundo. Completado o ciclo histórico, os bens serão repartidos por si mesmos entre nossos irmãos, isto é, com todos os viventes e elementos da terra, água, ar e alma. Não haverá mais cartas de cobrança, de descompostura nem de suicídio. O correio só transportará correspondência gentil, de preferência postais de Chagall, em que noivos e burrinhos circulam na atmosfera, pastando flores; toda pintura, inclusive o borrão, estará a serviço do entendimento afetuoso. A crítica de arte se dissolverá jovialmente, a menos que prefira tomar a forma de um sininho cristalino, a badalar sem erudição nem pretensão, celebrando o Advento. A poesia escrita se identificará com o perfume das moitas antes do amanhecer, despojando-se do uso do som. Para que livros? perguntará um anjo e, sorrindo, mostrará a terra impressa com as tintas do sol e das galáxias, aberta à maneira de um livro. A música permanecerá a mesma, tal qual Palestrina e Mozart a deixaram; equívocos e divertimentos musicais serão arquivados, sem humilhação para ninguém. Com economia para os povos desaparecerão suavemente classes armadas e semi-armadas, repartições arrecadadoras, polícia e fiscais de toda espécie. Uma palavra será descoberta no dicionário: paz. O trabalho deixará de ser imposição para constituir o sentido natural da vida, sob a jurisdição desses incansáveis trabalhadores, que são os lírios do campo. Salário de cada um: a alegria que tiver merecido. Nem juntas de conciliação nem tribunais de justiça, pois tudo estará conciliado na ordem do amor. Todo mundo se rirá do dinheiro e das arcas que o guardavam, e que passarão a depósito de doces, para visitas. Haverá dois jardins para cada habitante, um exterior, outro interior, comunicando-se por um atalho invisível. A morte não será procurada nem esquivada, e o homem compreenderá a existência da noite, como já compreendera a da manhã. O mundo será administrado exclusivamente pelas crianças, e elas farão o que bem entenderem das restantes instituições caducas, a Universidade inclusive. E será Natal para sempre. Ah! Seria ótimo se os sonhos do poeta se transformassem em realidade. Texto extraído do livro "Cadeira de Balanço", Livraria José Olympio Editora - Rio de Janeiro, 1972, pág. 52. Conheça o autor e sua obra visitando "Biografias".

Charge de Maringoni na Carta Maior: 'A confraria'

Fonte: Carta Maior

22 de dezembro de 2011

Do Blog do Nassif: 'Os 40 anos da Teologia da Libertação''

Há 40 anos, um pequeno livro de um sacerdote peruano estremeceu a Igreja católica ao sentar as bases daTeologia da Libertação, uma reflexão acusada de marxista por ressaltar a opção de Deus pelos pobres, mas também elogiada por renovar a mensagem dessa religião. O livro Teologia de Libertação. Perspectivas [Vozes], de 1971, é considerado o ato teórico fundacional que deu nome ao movimento teológico mais importante nascido na América e foi escrito pelo peruano Gustavo Gutiérrez, hoje com 83 anos e sacerdote dominicano. “A ideia era dizer que Deus acompanhava os povos do Terceiro Mundo, que estava do seu lado na busca pela Terra Prometida, mas uma Terra Prometida que significava terra, liberdade, justiça, dignidade”, explicou o professor Jeffrey Klaiber, historiador das religiões na Universidade Católica de Lima. Em uma América Latina marcada pela desigualdade social e pelas ditaduras das décadas de 1960 e 1970, essa linha “captou a imaginação” de vastos setores, desde a Nicarágua de Somoza até as Filipinas deMarcos, encontrando ecos na África, segundo Klaiber. Gustavo Gutiérrez afirmou que “na Teologia da Libertação (TdL) a pobreza significa insignificância social, ela não se limita à sua dimensão econômica; pobre é o insignificante e excluído por diferentes razões, dali a gravidade da desigualdade social que sofremos no Peru”. “Essa teologia segue presente na América Latina, apesar das quatro décadas transcorridas, e sua mensagem central (a opção preferencial pelos pobres) repercute sobre a tarefa pastoral da Igreja”, disseGutiérrez. “Bastaria tomar as conclusões da Conferência Episcopal da América Latina e do Caribe em Aparecida(Brasil, 2007) para dar-se conta disso”, evocou o sacerdote peruano sobre a reunião encabeçada pelo papa Bento XVI. A opção pelos pobres entusiasmou em um primeiro momento Roma, sob o papa Paulo VI (1963-1978), que designou bispos progressistas para a região com o maior número de fiéis católicos. Contudo, João Paulo II(1978-2005), formado no anticomunismo, a questionou alegando que fomentava a luta de classes e poderia distanciar os fiéis dos setores médios e altos. A ofensiva do Vaticano contra a Teologia da Libertação se traduziu na nomeação de bispos conservadores e se selou com dois documentos (“Instruções”) do então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé,Joseph Ratzinger, Bento XVI desde 2005. “A primeira instrução foi negativa, mas a segunda foi mais positiva porque dizia que a história do cristianismo é uma história de libertação, de liberdade, e que os cristãos deviam apoiar a liberdade”, assinalou Klaiber. “O importante é que os mal-entendidos, quando os houve, há tempo que foram superados através de um diálogo permanente e frutuoso”, ressaltou Gutiérrez sobre suas conversas com Ratzinger entre 1984-1986. O paradoxo na posição de Roma é que foram o Concílio Vaticano II (1962) e a Conferência Episcopal Latino-Americana de Medellín (1968) que serviram de inspiração para a TdL. Klaiber acredita que, “como corrente intelectual, o tempo da TdL já passou, mas seu espírito continua vigente e ativo no terreno, nas paróquias pobres e amazônicas mesmo que ninguém ouse pronunciar seu nome por medo da hierarquia”. O cardeal peruano Juan Luis Cipriani, primeiro cardeal da Opus Dei nomeado por João Paulo II no mundo, não aceitou fazer um comentário sobre a TdL quando lhe foi solicitado. “O que se pratica, na verdade, é a mensagem cristã, o Evangelho, não uma teologia; esta contribui para a vida da Igreja na medida em que reflete sobre essa mensagem tendo em conta o momento que se vive”, matiza Gutiérrez ao responder sobre se reescreveria sem mudanças seu texto de 1971. Gutiérrez não foi o único que impulsionou a TdL, que teve entre seus pioneiros o então sacerdote brasileiroLeonardo Boff e o colombiano Camilo Torres – que integrou as guerrilhas em seu país. Os casos dos arcebispos de El Salvador, Oscar Romero, assassinado em 1980, e do brasileiro Hélder Câmara, são referências obrigatórias dos representantes da Teologia da Libertação, que teve no Brasil sua base maior. Fonte: Blog do Nassif

21 de dezembro de 2011

Do Portal Vermelho: 'Protógenes protocola CPI que pode levar tucanos para a cadeia'

Deputados entregam a Marco Maia requerimento para criação da CPI Um dia histórico para o país. Nesta quarta-feira (21), o deputado Protógenes Queiroz protocolou junto ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), o requerimento para a instalação da CPI da Privataria Tucana. “A Câmara hoje se mobiliza atendendo a um apelo popular muito forte, através principalmente das redes sociais”, comentou Protógenes. Deputados entregam a Marco Maia requerimento para criação da CPI “Começou como CPI da Privataria, mas muitos já estão chamando de CPI da Cidadania, pois é uma CPI pluripartidária, com assinaturas de todos os partidos. Muitos deputados da oposição assinaram porque também se disseram surpreendidos com as revelações do livro”, informou o deputado comunista. Foram colhidas 206 assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito que pretende investigar um grande esquema de corrupção ocorrido durante o processo de privatizações das estatais no governo de Fernando Henrique Cardoso. O fato novo que motivou o pedido de CPI foi a publicação do livro Privataria Tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Junior, que trouxe centenas de documentos comprovando o recebimento de propinas e lavagem de dinheiro em paraísos fiscais. Participaram da entrega do requerimento, ao lado de Protógenes, os deputados Jô Moraes (PCdoB-MG), Reginaldo Lopes (PT-MG), Ricardo Berzoini (PT-SP) e Chico Alencar (PSOL-RJ). Clamor popular Protógenes considerou um dia histórico, pois os deputados atendem a um clamor popular pela criação da CPI. “Queremos esclarecer e dizimar uns fantasmas que rondam a política brasileira. Nas privatizações da década de 90, nós pagamos um custo social muito alto e agora descobrimos para onde foi o dinheiro”. O deputado fez questão de ressaltar que todo o movimento que surgiu no país se deve `a publicação do jornalista Amaury, “é muito mais que um livro, é um verdadeiro documento, uma espécie de libelo acusatório. E nós vamos procurar através dessas acusações as verdades que o Brasil quer e precisa saber”. Delegado da Operação Satiagraha, que em 2008 prendeu o banqueiro Daniel Dantas, Protógenes viu conexões entre as informações do livro e outras operações policiais. “Nunca imaginávamos que grande volume de dinheiro enviado para o exterior era do processo de privatização”, afirmou. Presidente O presidente Marco Maia considerou que esta pode ser uma “CPI explosiva, com contornos muito claros de debate político”. Maia informou que recebido o requerimento, o próximo passo é encaminhar para a secretaria geral da Câmara para as devidas conferências. “Além disso, será feita uma análise jurídica do conteúdo do requerimento. Vamos cumprir na integralidade do regimento no que diz respeito a instalação da CPI e assim identificar se há um fato determinado”. Maia comunicou também que ainda essa semana vai assinar a constituição de duas CPIs para começarem a funcionar a partir do início do próximo ano. A primeira investigará o possível aumento do trabalho escravo no país e outra terá como foco o tráfico de pessoas, em um trabalho complementar ao que foi desenvolvido no Senado. De Brasília, Kerison Lopes

19 de dezembro de 2011

Presidente do Sinproesemma, Júlio Pinheiro, defende piso na reunião do CNE em Brasília

A reunião do Conselho Nacional de Entidades da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) tirou indicativo de greve nacional dos educadores para a primeira quinzena de março de 2012. A paralisação nacional está prevista para os dias 14, 15 e 16 de março, para exigir o cumprimento da lei nacional do piso do magistério, além do investimento de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) na educação. A entidade orienta os sindicatos filiados a iniciar os preparativos da greve nacional. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Maranhão (Sinproesemma), Júlio Pinheiro, participou da reunião do CNE, que discutiu questões importantes para a educação pública brasileira e valorização da carreira do educador, como o Plano Nacional de Educação (PNE) e a definição de um parâmetro para o reajuste do piso salarial nacional da categoria. O encontro, realizado nos últimos dias 15 e 16, fez um balanço das atividades da CNTE em 2011 e apontou perspectivas para o ano de 2012. Embora não tenha sido aprovado o Plano Nacional de Educação este ano e não tenha sido ainda definido o fator de reajuste do piso, os conselheiros consideraram o balanço positivo, com a perspectiva de conquistar avanços para educação com a retomada das discussões em torno dos temas, logo após o recesso de fim de ano. “Temos a esperança de conseguir derrubar a decisão tomada pela Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, que fixou o INPC/IBGE como único fator de atualização do piso nacional do magistério. Se aprovado é um retrocesso. Busca-se construir um acordo para o reajuste, com base nos aumentos dos dois últimos anos do custo aluno - ano do Fundeb - o mesmo parâmetro de reajuste do salário mínimo, nos mesmos percentuais, para a garantia de ganhos reais nos salários do magistério”, avaliou Pinheiro. De acordo com a CNTE, as informações que chegam dão conta de que governadores e prefeitos estão unidos contra o substitutivo do Senado, que previa aumento real do piso para 2012 na ordem de 22,23%. O referido substitutivo mantinha o cálculo de reajuste vinculado ao valor mínimo do Fundeb, porém incidiria sobre a diferença entre os dois últimos anos de vigência do Fundo da Educação Básica. A CNTE afirma ainda que, caso prevaleça apenas a correção da inflação pelo INPC, os prejuízos para o piso e, consequentemente, para a educação brasileira serão incalculáveis. A medida constituirá um duro ataque ao magistério, por parte dos governos federal, estaduais e municipais, e significará um contrasenso dos parlamentares diante da atual discussão sobre o Plano Nacional de Educação (PNE), que aponta metas específicas para a valorização do magistério e dos demais profissionais da educação. “Significará, também, a negação dos desígnios da Lei 11.738 e a transformação dos esforços pela valorização de nossa categoria, depreendidos nos últimos anos, em pura retórica”, alerta a confederação. A CNTE alerta a sociedade, os congressistas e os gestores das três esferas de governo para a gravidade do assunto, que poderá impor mais sacrifícios, perdas e decepções a uma categoria que, historicamente, sofre com os baixos salários, com a dupla e tripla jornadas de trabalho e com toda sorte de enfermidades decorrentes da exaustão provocada pelo desempenho da profissão. A entidade reitera a necessidade de se garantir o mecanismo já aprovado no Senado para o reajuste do piso, por tratar-se de condição indispensável para a valorização do magistério e para a garantia do aprendizado com qualidade nas escolas publicas, onde estudam os filhos e filhas da maioria da população brasileira. Fonte: http://www.sinproesemma.org.br/

Corea do norte perde Kim Jong IL

O líder da República Popular Democrática de Corea (RPDC), Kim Jong Il, morreu no último sábado de infarto cardíaco durante uma viagem de trem, a trabalho, informou a agência de notícias norte-coreana KCNA. De acordo com um informe, citado pela agência, Kim Jong Il, de 69 anos, durante longo periodo de tempo recebeu tratamento médico para sua enfermidade cardíaca e vascular cerebral. A nota indica que foram tomadas todas as medidas possíveis de socorro no momento do infarto, mas foram insuficientes para salvar a vida do líder norte-coreano. Kim Jong Il nasceu em 16 de fevereiro de 1942 e em 1960 começou a estudar política e economia na Kim Il Sung University, onde se formou quatro anos mais tarde. Em 1964 começou a trabalhar no Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia e em fevereiro de 1974 se tornou membro do Birô Político do Comitê Central. Desde outubro de 1980, Kim Jong Il era membro do Presidium do Birô Político, secretário do Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia e membro da Comissão Militar Central. Foi eleito deputado à Assembleia Popular Suprema de 1982 a 1998, e entre dezembro de 1992 a abril de 1993, de forma sucessiva, Comandante Supremo do Exército Popular da Coreia, primeiro vice-presidente e mais tarde da Comissão de Defesa Nacional. Em 8 de outubro de 1997, Kim Jong Il foi eleito secretário-general do Partido do Trabalho da Coreia e recebeu o título honorário de Herói da RPDC em 1975 e 1982. Tinha também o título de Marechal da RPDC. A Comissão constituída para organizar os funerais anunciou que o ato central de condolências em memória do líder morto se realizará em Pyongiang no próximo dia 29. Na ocasião serão disparadas salvas de canhão também em todas as capitais das províncias, segundo a agência de notícias KCNA. Todos os habitantes do país guardarão três minutos de silêncio e as locomotivas e embarcações tocarão simultaneamente as sirenas. A despedida do féretro de Kim Jong Il, que repousará no Palácio Memorial Kumsusan, se efetuará em 28 de dezembro, e o período de luto se estenderá até o dia seguinte. De acordo com a Comissão dos funerais, os organismos e empresas de todo o país realizarão atos de condolências. O mais provável sucessor de Kim Jong-Il é seu filho mais novo, Kim Jong-Un, que tem 29 anos e foi nomeado general de quatro estrelas e vice-presidente da Comissão Militar Central do Partido do Trabalho em 2010. Com agências

18 de dezembro de 2011

Tocantinópolis Esporte Clube faz balanço 'sincero' do ano de 2011

O Tocantinópolis Esporte Clube poderia ter tido uma sorte melhor no Campeonato Estadual de 2011, pois o clube conseguiu montar um bom elenco, sua diretoria se empenhou ao máximo, seus patrocinadores não mediram esforços para ajudar financeiramente e sua torcida deu uma imensa demonstração de carinho, que não foi devidamente retribuída dentro de campo. Todavia, o clube pecou por não ter planejado uma pré-temporada com partidas amistosas para testar as deficiências do time antes do início da competição e não durante a mesma como ocorreu. O que fica de lição é que os erros cometidos em 2011 sirvam de aprendizagem para que doravante os mesmos sejam totalmente suprimidos em 2012, como já ressaltou o vice-presidente alviverde Salim Rodrigues Milhomem. Já no segundo semestre quando o Verdão disputou o Campeonato Brasileiro da Série “D”, ficou a nítida impressão de que faltou a alguns de nossos atletas o velho dito popular do futebol “arroz com feijão”, pois chegamos bem próximo de uma classificação, apesar de ter uma das menores folhas de pagamento da competição. Contudo, no momento em que alguns de nossos jogadores precisavam demonstrar o futebol “arroz com feijão”, simplesmente subestimamos nossos adversários, como foi o caso da partida contra o Gama em que o TEC perdeu de virada uma partida que estava totalmente em suas mãos. A torcida sabia das limitações do elenco alviverde, porém ela também sabia que esse mesmo elenco possuía alguns valores individuais e que se porventura tivessem dado um pouco mais de si em determinados jogos, o clube poderia ter ficado numa colocação mais honrosa. A prova disso foi a vitória diante do Tupi, clube campeão da Série “D”, partida que o TEC jogou o futebol “arroz com feijão”, ou seja, um futebol simples, mas objetivo. Balanço Geral do TEC no Campeonato Estadual Tocantinense de 2011 Treinador: Everaldo Bezerra (in memorian) Vitórias: 3; Empates: 2; Derrotas: 2 Gols pró: 11 – Gols contra: 8 Colocação na competição: 5ª Média de público pagante no Ribeirão: 1.264 pessoas Destaque alviverde na competição: a partida TEC 2 X 0 Guaraí ter sido o recorde de público da competição (Público pagante: 1.680 pessoas – público total: 2.333 pessoas) Balanço Geral do TEC no Campeonato Brasileiro da Série “D” de 2011 Treinador: Pedro Mendes Vitórias: 2; Empates: 1; Derrotas: 5 Gols pró: 10 – Gols contra: 16 Colocação na competição: 33ª Média de público pagante no Ribeirão: 476 pessoas Destaque alviverde na competição: o fato do TEC ter sido a única equipe dentro da competição a não perder para o Tupi, campeão do certame. Foram dois confrontos entre as duas equipes, o primeiro ocorreu em Juiz de Fora (0 a 0) e o segundo em casa (3 a 0 para o TEC). Fonte: Site do TEC - http://www.tocantinopolisesporteclube.com.br/

Iniciando a Semana. E a privataria, hein?

Beluzzo: A tarefa de Aldo Rebelo de colocar ordem no futebol

Sob a pele euclidiana do sertanejo forte de Viçosa das Alagoas, abriga-se um brasileiro apaixonado. E Aldo, antes de tudo, é um brasileiro apaixonado pelo Brasil. Essa paixão se anima e reanima no estudo e na leitura dos clássicos que examinaram a alma brasileira. Ele lê o Brasil com muitos olhos e com os olhos dos intérpretes de seus tempos. Aldo sabe que os intérpretes do Brasil são também "inventores" da brasilidade. Buscaram a singularidade de seu povo.
O povo e a nação, os afetos brasileiros de Aldo, se manifestam na linguagem, na música e no esporte. Torcedor ardoroso do Palmeiras, Aldo não descansa na reafirmação de sua palestrinidade brasileira, sempre acompanhada da exaltação da presença nacional de seu clube de coração. No ano passado, ele me telefonou de Viçosa, quase extasiado, para contar o que havia visto: um cortador de cana saía do canavial com a camisa do Palmeiras. Os detratores cosmopolitas não podem entender sua defesa intransigente da língua portuguesa, em sua versão brasileira. Não entendem porque desconhecem o que o filósofo Jaques Derrida sabia: "A linguagem é o mais perigoso dos bens... ela foi entregue ao homem para que ele dê o testemunho de haver herdado o que ele é. A herança jamais é uma doação, mas uma tarefa". Na faina de preservar a herança que tanto preza, Aldo, o ministro do Esporte, vai enfrentar a dura e perigosa tarefa de cavar um fosso entre a paixão nacional pelo jogo da bola e a sôfrega matilha que leva a bola para casa na hora do jogo. * Luiz Gonzaga Beluzzo é economista Artigo publicado na edição especial da Revista Época 100 – Os mais influentes de 2011

15 de dezembro de 2011

PCdoB e Fundação Maurício Grabóis entregam Prêmio Mochel 2011 nessa sexta, 16. Júlio Guterres e Pedro Careca serão homenageados

Professor Júlio Guterres, Presidente da CTB-MA e Diretor do SINPROESEMMA Nessa sexta feira, 16 de Dezembro, às 18:00h, no Auditório Fernando Falcão, na Assembleia Legislativa do Maranhão, o PCdoB e a Fundação Maurício Grabois realizam a solenidade de entrega do Prêmio José Augusto Mochel 2011. Entre os agraciados com o prêmio este ano na categoria Individual, está o Professor Júlio Guterres. Filho do militante e dirigente comunista Alkmar Guterres e de Judith Guterres, Júlio chegou com a família em São Luís nos anos 60, vindo de Caxias por conta da repressão do governo militar da época. A partir daí sua vida não foi mais a mesma, tendo papel destacado nas lutas do povo maranhense nas décadas seguintes. É Presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) no Maranhão e Diretor de Comunicação do SINPROESEMMA. Além disso, é também membro da Comissão Política do PCdoB no Maranhão, partido em que é filiado a quarenta anos. Reconhecido no movimento sindical, Júlio é também respeitado no conjunto do movimento social maranhense, particularmente em São Luís. É Casado com Livanir Guterres e pai da pequena Lívia Guterres. Prêmio O Prêmio José Augusto Mochel chega a sua Edição em 2011. Já homenageou figuras ilustres ligadas as lutas democráticas, populares e nacionais do povo maranhense, entre eles, Manoel da Conceição, Etelvino Oliveira, Neiva Moreira, Walter Rodrigues, Haroldo Lima, Francisco Gonçalves, Magno Cruz, Willian Moreira Lima, Walter Sorrentino, Walter Rodrigues e outros. Este ano a categoria individual estará rendendo homenagens a Reginaldo Telles, Maria Lucia Telles, Cézar Teixeira, João Maria e Júlio Guterres. Na categoria institucional, entre os homenageados estão a Cáritas Maranhão e o Fórum de Entidades do Baixo Parnaíba. O militante comunista e vereador por Paço do Lumiar, Pedro careca também será homenageado postumamente por meio da família.

Taxa de homicídios no Brasil mais do que dobra em 30 anos

Em 30 anos, o Brasil ultrapassou a marca de 1 milhão de vítimas de homicídio. Dados do Mapa da Violência 2012, divulgado hoje (14) pelo Instituto Sangari, apontam que o número de homicídios passou de 13,9 mil em 1980 para 49,9 mil em 2010, o que representa um aumento de 259%. Com o crescimento da população nesses 30 anos, a taxa de homicídios passou de 11,7 em cada grupo de 100 mil habitantes em 1980 para 26,2 em 2010. De acordo com o relatório, a média anual de mortes por homicídio no país supera o número de vítimas de enfrentamentos armados no mundo. Entre 2004 e 2007, 169,5 mil pessoas morreram nos 12 maiores conflitos mundiais. No Brasil, o número de mortes por homicídio nesse mesmo período foi 192,8 mil. “Fica difícil compreender como, em um país sem conflitos religiosos ou étnicos, de cor ou de raça, sem disputas territoriais ou de fronteiras, sem guerra civil ou enfrentamentos políticos violentos, consegue-se exterminar mais cidadãos do que na maior parte dos conflitos armados existentes no mundo”, diz o documento. No entanto, o relatório aponta que nesses 30 anos houve uma ruptura no crescimento da taxa de homicídios no país. Entre 2003 e 2010, houve variação foi negativa de 1,4% ao ano. Porém, a partir de 2005, foi verificada uma instabilidade, com oscilações em torno de 26 homicídios em 100 mil habitantes. Em 2010, ocorreram 50 mil assassinatos no país. Segundo o relatório, foram registrados 137 homicídios por dia. “Vários fatores concomitantes e complexos parecem intervir nessa explicação dessas quebras e oscilações a partir de 2003: políticas de desarmamento, planos e recursos federais e estratégias de enfrentamento”, aponta o relatório. Os dados do Mapa da Violência demonstram ainda que os estados que lideravam as estatísticas no início da década, como Pernambuco, o Rio de Janeiro, o Espírito Santo, São Paulo, Mato Grosso, Roraima e Distrito Federal apresentam quedas do índice de homicídios. São Paulo e o Rio de Janeiro apresentam reduções de 63,2% e 42,9%, respectivamente. Por outro lado, os 17 estados com as menores taxas do país no ano 2000 apresentam taxas crescentes. Em vários locais, esse aumento teve tal magnitude que levou os estados a ocupar um lugar de destaque no contexto nacional no final da década. Assim, Alagoas passou a ocupar o primeiro lugar no Mapa da Violência. O Pará passou da 21ª posição para a terceira; a Paraíba, da 20ª para a sexta, e a Bahia, da 23ª para sétima posição. O ranking do Mapa da Violência 2012 é liderado por Alagoas, seguido pelo Espírito Santo, Pará por Pernambuco e pelo Amapá. Fonte: Agência Brasil

13 de dezembro de 2011

Síria detém outra infiltração armada a partir da Turquia

O governo da Síria revelou nesta terça-feira (13) que frustrou uma nova tentativa de infiltração por um grupo armado da Turquia através de Ain Baida, na região de Badama, província de Idleb. O comando da Guarda Fronteiriça informou que seus soldados interceptaram uma quadrilha de 15 indivíduos carregados de armamentos e no confronto mataram dois e feriram os demais. A operação realizou-se com sucesso depois que patrulhas fronteiriças monitoravam os movimentos de infiltração do grupo armado, antes de enfrenta-los, afirmaram as autoridades, agregando que suas unidades não sofreram baixas de nenhum tipo. "Nossa Guarda Fronteiriça está preparada para enfrentar a qualquer um que pense que pode atingir a segurança do povo sírio", expressa o comunicado difundido nesta terça-feira. Em 6 de dezembro, lembra a agência de notícias Sana, unidades fronteiriças também impediram que um grupo de 35 indivíduos armados ingressassem pelo mesmo ponto da fronteira entre Síria e Turquia, ferindo alguns deles. Vários meios de comunicação, como o jornal tcheco Pravo, relataram que grupos de extremistas sírios, vinculados com o jihad salafista e a Irmandade Muçulmana, bem como mercenários de vários países da região, entre eles alguns comandos líbios, são treinados em acampamentos na Turquia e no Líbano, para em seguida serem infiltrados na Síria. As autoridades militares libaneses capturaram e encarceraram indivíduos envolvidos no tráfico de armas e munições para o território sírio. Forças sírias lutam fortemente contra quadrilhas armadas que operam principalmente na província de Homs, e que também lançam ataques e sequestros em localidades rurais de Hama, Daraa e Idleb. A Agência Sana informa que o brigadeiro general Ghanim Ibrahim Hasan, instrutor na Academia de Engenharia Militar de Assad, foi morto a tiros por indivíduos armados próximo do povoado de Saraqeb, em Idleb, quando se dirigia de Aleppo para Damasco, onde trabalhava. As autoridades também informaram que recuperaram quatro caixas de bilhetes roubados por outra quadrilha em Talkalakh, enquanto uma bomba causou danos a um posto de combustível próximo a Rastan, em Homs. O fogo resultante pela explosão foi extinto. Esse posto fornecia combustível à estação geradora de energia de Maharda. As forças sírias localizaram e enfrentaram no domingo pela noite na mesma província um grupo terrorista que assassinou no sábado o engenheiro Maher Ghadir, quando se dirigia a seu trabalho na usina de gás de Abu Rabah. Na segunda-feira, um grupo armado tentou tumultuar as eleições dos governos locais em Sham Golan, na província de Daraa, e disparou contra as forças de segurança, matando três agentes de acordo com a Agência de Notícias Síria. Fonte: Portal Vermelho com informações da Prensa Latina

10 de dezembro de 2011

Inédito: livro bomba revela as maracutais do PSDB no poder

Nesta sexta-feira 9, assino a reportagem de capa de CartaCapital irá apresentar, em primeira mão, o conteúdo do livro "A Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Jr. Resultado de 12 anos de trabalho, o livro chegou a ser considerado uma lenda urbana quando as primeiras notícias sobre ele surgiram, em 2010, em plena campanha eleitoral. Por Leandro Forte Um ano depois, a obra de Ribeiro Jr. chega às livrarias com um conteúdo devastador, sobretudo para o ex-governador José Serra, do PSDB, principal personagem das 343 páginas do livro. Nelas, o leitor irá se defrontar com um complexo sistema de maracutaias financeiras montadas, entre 1998 e 2002, para desviar dinheiro das privatizações levadas a cabo durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Também vai entender como funcionam os mecanismos de lavagem de dinheiro que permitiram aos envolvidos movimentar bilhões de reais em paraísos fiscais, à custa de negociatas e pagamentos milionários de propinas. No livro, Ribeiro Jr. elenca uma série de personagens envolvidas com a “privataria” dos anos 1990, todos ligados a Serra, aí incluídos a filha, Verônica Serra, o genro, Alexandre Bourgeois, e um sócio, Gregório Marín Preciado. Mas quem brilha mais do que todos na obra de Amaury Ribeiro Jr. é o ex-diretor da área internacional do Bando do Brasil, o economista Ricardo Sérgio de Oliveira. Ex-tesoureiro de Serra e FHC, Oliveira é o cérebro por trás da complexa engenharia de contas, doleiros e offshores criadas em paraísos fiscais para esconder os recursos desviados da privatização usados para pagar e receber subornos. Em entrevista à CartaCapital, Ribeiro Jr. conta como apurou e produziu o livro que, mesmo antes de ser publicado, provocava arrepios e surtos de pânico entre os tucanos. Acusado de ter quebrado ilegalmente sigilos fiscais de celebridades tucanas, ele garante que foi vítima de uma armação montada por Serra para tentar neutralizar o conteúdo do livro. Todos os muitos documentos disponibilizados na obra, garante, foram obtidos legalmente. “Serra sempre teve medo do que seria publicado no livro”, afirma Ribeiro Jr.

5 de dezembro de 2011

Relator do PNE define meta de investimento em educação em 8% do PIB

Brasília – Após uma complicada negociação com o governo, o relator do Plano Nacional da Educação (PNE) na Câmara dos Deputados, Angelo Vanhoni (PT-PR), definiu em 8% do Produto Interno Bruto (PIB) a meta de investimento público na área que deverá ser cumprida no prazo de dez anos. O texto foi protocolado hoje (5) por Vanhoni. Com isso, aumenta a previsão do investimento em educação em relação à proposta inicial apresentada pelo governo que previa a aplicação de 7% do PIB no setor. Atualmente o Brasil investe 5% do PIB em educação. A apresentação do relatório do PNE foi adiada várias vezes nas últimas semanas porque não havia acordo sobre a meta de investimento. Boa parte das 3 mil emendas apresentadas ao projeto de lei pediam a alteração do patamar para 10% do PIB. O índice também é defendido por diversas entidades da área como a União Nacional dos Estudantes (UNE), a Campanha Nacional pelo Direito à Educação e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime). Vanhoni e outros deputados da base participaram de reuniões no Palácio do Planalto na tentativa de aumentar os recursos previstos, mas segundo o deputado não houve consenso. “Agora vamos aguardar a negociação”, disse Vanhoni à Agência Brasil. A partir da conclusão do relatório, abre-se o prazo de cinco sessões para apresentação de novas emendas ao texto. Desde a semana passada, vários parlamentares que são membros da comissão especial criada para avaliar o plano previam que caso a meta definida pelo relator fosse inferior a 10% do PIB seriam apresentadas mais emendas para tentar aumentar o patamar de investimento. Caso seja feito algum pedido de vista ao relatório, a aprovação do projeto pode ficar para 2012 já que o recesso parlamentar começa em 22 de dezembro. O PNE estabelece 20 metas educacionais que devem ser alcançadas pelo país no prazo de dez anos. Entre elas o aumento de vagas em creches, a ampliação de escolas em tempo integral e a expansão das matrículas em cursos técnicos. O antigo PNE terminou em dezembro de 2010 e no momento não há nenhum plano em vigor. Fonte: Agencia Brasil

Carlos Lupi pede demissão do Ministério do Trabalho

Carlos Lupi entregou sua carta de demissão, renunciando ao cargo de ministro do Trabalho. A decisão foi anunciada agora há pouco através de uma nota na página do ministério. A publicação aconteceu logo após Lupi se encontrar com a presidente da República, Dilma Rousseff. No texto, ele alega sofrer perseguição política e pessoal da mídia, sem direito de defesa e sem provas. Lupi conversou com Dilma na noite de domingo e antecipou-se da decisão que poderia ser tomada por ela.Com a renúncia, Lupi se antecipou à decisão da presidente, que convocou para esta segunda-feira reunião da coordenação política para tratar especificamente do caso e poderia dizer que a sua situação estava insustentável. Alvo de um bombardeio intenso da mídia desde a renúncia do ministro do esporte, Orlando Silva, no final de outubro, o quadro político do ministro filiado ao PDT se agravou quando a Comissão de Ética da Presidência da República recomendou sua demissão. Além disso, um jornal paulista publicou reportagem comprovando que Lupi acumulou no passado ilegalmente cargos de assessor da liderança do PDT na Câmara dos Deputados e no gabinete de um vereador do seu partido na capital carioca. Leia a íntegra da nota oficial: Tendo em vista a perseguição política e pessoal da mídia que venho sofrendo há dois meses sem direito de defesa e sem provas; levando em conta a divulgação do parecer da Comissão de Ética da Presidência da República – que também me condenou sumariamente com base neste mesmo noticiário sem me dar direito de defesa -- decidi pedir demissão do cargo que ocupo, em caráter irrevogável. Faço isto para que o ódio das forças mais reacionárias e conservadoras deste país contra o Trabalhismo não contagie outros setores do Governo. Foram praticamente cinco anos à frente do Ministério do Trabalho, milhões de empregos gerados, reconhecimento legal das centrais sindicais, qualificação de milhões de trabalhadores e regulamentação do ponto eletrônico para proteger o bom trabalhador e o bom empregador, entre outras realizações. Saio com a consciência tranquila do dever cumprido, da minha honestidade pessoal e confiante por acreditar que a verdade sempre vence. Carlos Lupi - Ministro do Trabalho e Emprego De Brasília, Kerison Lopes

4 de dezembro de 2011

3 de dezembro de 2011

Poemas de sábado a tardinha

O tempo de todos
O tempo que se conta sempre É o que se viveu sem se enganar os sentidos O tempo que não se viveu É apenas um não tempo enganado por si só Não como aquele que se deixou morrer Ou ainda este que quase se deixa viver Sem força estremece diante do devir das coisas Desfraldadas do enigma e do serpenteio dialético da história Este tempo não existiu especificamente Ele compôs a totalidade enquanto tal Apenas como uma relação de possibilidades Embrenhada nas pás monossilábicas do moinho que se diz azul Exclama, tempo, insinua-te nas andanças da vida Enquanto possibilidade relacional e vivência helicoidal O tempo, sim, é aquele que se viveu Que se chorou e de alegria ou dor se modificou E enquanto tal deve ser contado Como em somas de múltiplas implicações Vida que de tempo se fez E se faz inapelavelmente No vento fractalizado do poeta Nunca se mata ou se cala o fio da faca intermitente Prenhe navega o homem em inarredável existência Como um não tempo que existe como o corte histórico do poema Devir de calefações revolucionárias A serem calculadas pelo próprio ser No tempo que é de todos Marden Ramalho

2 de dezembro de 2011

Acaba a greve dos PMs e Bombeiros do Maranhão

De acordo com Marcos Prisco, da Associação Nacional dos Cabos e Soldados o acordo após ser aprovado e assinado pela categoria será enviado até a Sede da OAB para que seja assinado pelo Governo e retornar em seguida até os trabalhadores. O acordo tem que tá assinado. "Porque nesas coisas só se tiver assinado." Disse Prisco, e conclui dizendo a importancia desse processo, convidando a todos para extravasar, comemorar, em carreata." Portanto, de acordo com essas palavras a greve dos militares do Maranhão está encerrada.

Fim da greve é só questão minutos. O clima é de aceitação entre os militares

Aumenta o numero de PMs e Bombeiros nas dependências da Assembleia Legislativa do Maranhão para decidirem sobre se vão aceitar ou não a proposta do governo. A Comissão de Negociação esteve reunida agora mesmo no Gabinete do Deputado Zé Carlos, Presidente da Comissão de segurança da Assembleia Legislativa para discutir a forma da apresentação dessa proposta para os trabalhadores. Um som gigantesco está sendo usado pelos que falam para que todos acompanhem a proposta com muita clareza. Cabo Campos, um dos lideres destacados do movimento deixou claro que agora vão explanar a proposta e decidir em conjunto com a categoria. Há um clima de total expectativa. Percebe-se que há certa diferença em algmas opiniões dos líderes diante de suas declarações. Ao mesmo tempo um,a unidade no sentimento de justiça em apresentar a melhor proposta alcançada. Apesar do clima de apreesnão, entre os manifestatntes a tendencia é de aceitarem a proposta do governo.

Dois mil PMs e Bombeiros podem decidir fim da greve. Assembleia acontece nesse momento.

.
Dentro de instantes a decisão sobre o fim ou a continuidade da greve dos militares do maranhão deve ser posta em votação pelos trabalhadores. Nesse momento mais de 2.000 Policiais militares de todas as patentes estão reunidos em Assembleia HGeral debatendo e depois decidir sobre a proposta apresentada pelo governo aos militares após a reunião de negociação na Sede da OAB

Reunião pode selar fim da greve dos militares no Maranhão ainda hoje

Nesse exato momento os servidores civis e militares em movimento de paralisação por direitos estão esperando apreensivos nas dependências da Assembléia Legislativa do Maranhão esperando o fima da reunião entre grevistas e governo. A reunião acontece no prédio da OAB. Presentes na mesa de negociação estão o Senador João Alberto, representado a governadora do Estado, membros da OAB e representantes do grupo de militares em greve, Soldado Nascimento, da PM e Jean Marrie, do Corpo de Bombeiros. Em São Luís, capital do estado, a sociedade vive com medo por conta da paralisação e cobra do governadora do estado ação direta para por fim ao movimento. No interior do estado a situação não é diferente. Ontem a presença de lideranças nacionais da Associação de Cabos e Soldados do Brasil, maracaram um novo momento nas negociações. "Temos uma pauta nacional definida", disseram, alertando o governo que uma negociação séria deveria levar-se em conta as expectativas não apenas da sociedade mas principalmente dos Militares, visivelmente insatisfeitos. Tudo indica na reunião de hoje deve-se selar acordo entre governo e militares para por fim à paralisação que já dura 9 dias. Ontem mesmo surgiram informações dando conta de que o próprio governo já havia apresentado a proposta aos militares. De acordo com informações colhidas pelo Blog a proposta resumida apresenta escalonamento a ser pago até 2014. Em 2012, o governo pagaria 10,45% de reajuste, o que aumentariam os salários para R$ 2.240,00; em 2013, o percentual é de 8,9%, e para 2014, o governo aplicaria o percentual de 8,19%, ficando em 2014 o salário estabelecido em R$ 2.640,00. Além disso os militares argumentam que itens da pauta como anistia geral, o fim do Regulamento Disciplinar do Exército (com a implantação de um novo código de ética para a PM do Maranhão), a forma de promoção, a data base, a mesa paritária e a carga horária ja teriam sido objeto de acerto entre grevistas e governo. Agora só resta esperar o término da reunião para anunciar o término ou não da paralisação.

CTB e aliados vencem eleição no Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Imperatriz

.
A eleição no Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Imperatriz terminou com a vitória da Chapa 2 encabeçada pelo professor Wilas de Moraes. De acordo com os números finais após a apuração das 27 urnas os reusltados foram os seguintes: CHAPA 02 – Presidente Wilas Moraes, obteve 380 votos. CHAPA 01 – Presidente Euramir Reis, obteve 319 votos. CHAPA 04 – Presidente Geová, obteve 228 votos. CHAPA 03 – Presidente Francisco ficou com 225 votos. De acordo com o Presidente da CTB no Maranhão, professor Júlio Guterres, "É uma grande vitória nossa na região tocantina.". O blogueiro progressista Carlos Hermes, de Imperatriz, ressaltou que foi "uma eleição histórica do STEEI. E os professores do município de Imperatriz disseram não à continuidade da ex-presidente, Euramir Reis." Sem dúvida é uma excelente notícia para os trabalhadores em educação da segunda maior cidade do estado na medida em que a vitória da Chapa 2 representa avanços na luta dos trabalhadores do muncípio e a repercussão dessa vitória é estadual

1 de dezembro de 2011

Sobre bandidos e bandidos



Sinceramente falando acerca da suposta 'agressão' ao fotógrafo de O Estado do Maranhão, se houve 'agressão', é lamentável e presto aqui minha solidariedade profissional, como o fiz com o colega werton araújo a algum tempo atras.
Mas ao mesmo tempo essas coisas ajudam a sociedade a amadurecer ainda mais. Não sou dos que chamam os cidadãos de "bandidos" e outras denominações grotescas e demoníacas, mas perguntas ficam no ar agora:
PORQUE SERÁ QUE ESSAS COISAS SO ACONTECEM COM O PESSOAL DA MIRANTE?
E ISSO TEM OCORRIDO EM TODOS OS ENFRENTAMENTOS DIRETOS ONDE AS POSIÇÕES DO GOVERNO TENTAM SE IMPOR CLARAMENTE POR MEIO DAS OPINIÕES DE ALGUNS PROFISSIONAIS QUE ALI TRABALHAM?
O mais incrível é que todos os veículos tem acesso 'livre' menos os da mirante. Por que será?
Os policiais e bombeiros alegam que todos entram para cobrir o movimento sem fazer distorções. Mas ao mesmo eles afirmam que a apenas a Mirante quando vai distorce ou contribui com as distorções que em nada diz respeito com o dia a dia cada vez mais ordeiro e organizado da manifestação.
É uma guerra ali. Eles já colocaram pra fora agente da ABIN, subcomandantes, e outros X-9 ou 01 que se prestam a serviços de espionagem ou outras sacanagens afins.
O que não é o caso do Biamam. Mas a uma preocupação por parte do movimento que esse tipo coisa aconteçam. E quando acontece eles reagem de maneira dura.
É aquela coisa, uma laranja podre no saco apodrece todo o resto.
É triste mas são fatos já corriqueiros e que a sociedade já ta aprendendo a enfrentar.

30 de novembro de 2011

Pressão da sociedade, dos trabalhadores e luta contra o PIG pode por fim à paralisação da PM e Bombeiros no Maranhão



A paralisação dos Servidores civis e militares da PM e do Corpo de Bombeiros do maranhão pode acabar hoje. A possibilidade veio com a abertura de negocições por parte do governo que até então se mantinha intransigente.
Enviou emissários para tentar fantasiar o cenário do movimento apresentando espírito de grande benevolência. O envio ou, que seja, a boa vontade do Presidente do TJ, da Procuradora e do Presidente do Legislativo caracteriza bem essa situação.
Os trabalhadores devem ter ali mesmo se perguntado: "- Pôxa, essa turma me chama de bandido e diz que a luta por direito que eu defendo é ilegal, e agora vem aqui querer que suspendamos o movimento nos ameaçando de prisão e de demissão como forma de nos coagir para resolvermos o impasse gerado pelo próprio governo. Isso não tá correto."
O resultado todos já sabem. Deram meia volta e arredaram dali.
A decisão do governo veio apos muita pressão da sociedade e percepção do próprio os arranhões gravíssimos que sofreu a imagem da governadora.
Os manifestantes, ao contrário do que pregam os assessores de imprensa do governo e o PIG, receberam o resultado da reunião que ocorreu ontem na Sede da OAB com muita vibração. Acreditam que com o fortalecimento do movimento expresso em adesões que se somam a cada dia que passa de batalhões espalhados pelo interior do estado, o governo tenha repensado a postura do enfrentamento intransigente e a tese política da paralisação.
Parte importante dessa batalha está nas Redes Sociais, fenômeno de massas que a cada dia tem provocado o contato, mesmo que virtual, de milhões de pessoas.
No Mararanhão não poderia ser diferente.
A consequencia disso é direta. Com a ampliação do acesso à informação muito do que é construído pelo governo e o PIG aqui no Maranhão é facilmente desmontado nas Redes. Isso é fato.
Por isso as opiniões do governo, se por um lado tem muita força, por que são fortes os veículos, não consegue mais abafar as Redes e outros inúmeros veículos e fromadores de opinião de todo tipo postos em ação por conta da Internet e suas amplas possibilidades. Isso é outro fato.
Essa batalha não termiou ainda. Foi longa, mas 'quiçá' terminará com a prevalencia do bom senso e a lição do poder que tem a organização da sociedade expressa aqui minimamente na resistencia dos Servidores Civis e Militares da PM do Maranhão e do Corpo de Bombeiros.

29 de novembro de 2011

Solenidade de entrega do Prêmio José Augusto Mochel 2011 acontece dia 16 de Dezembro. Professor Júlio Guterres será um dos agraciados


Professor Júlio Guterres receberá o Prêmio na categoria Individual


















No próximo dia 16 de Dezembro o PCdoB e a Fundação Maurício Grabois realizam a solenidade de entrega do Prêmio José Augusto Mochel 2011. Entre os agraciados com o prêmio este ano na categoria Individual, está o Professor Júlio Guterres. Filho do militante e dirigente comunista Alkmar Guterres e de Judith Guterres, Júlio chegou com a família em São Luís nos anos 60, vindo de Caxias por conta da repressão do governo militar da época.
A partir daí sua vida não foi mais a mesma, tendo papel destacado nas lutas do povo maranhense nas décadas seguintes.
É Presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) no Maranhão e Diretor de Comunicação do SINPROESEMMA. Além disso, é também membro da Comissão Política do PCdoB no Maranhão, partido em que é filiado há mais de quarenta anos. Reconhecido no movimento sindical, Júlio é também respeitado no conjunto do movimento social maranhense, particularmente em São Luís. É Casado com Livanir Guterres e pai da pequena Lívia Guterres.

Prêmio
O Prêmio José Augusto Mochel chega a sua Edição em 2011. Já homenageou figuras ilustres ligadas as lutas democráticas, populares e nacionais do povo maranhense, entre eles, Manoel da Conceição, Etelvino Oliveira, Haroldo Lima, Francisco Gonçalves, Magno Cruz, Willian Moreira Lima, Walter Sorrentino, Walter Rodrigues e outros.
Este ano a categoria individual estará rendendo homenagens a Reginaldo Telles, Maria Lucia Telles, Cézar Teixeira, João Maria e Júlio Guterres. Na categoria institucional, entre os homenageados estão a Cáritas Maranhão e o Fórum de Entidades do Baixo Parnaíba.
O militante comunista e vereador por Paço do Lumiar, Pedro careca também será homenageado postumamente por meio da família.

26 de novembro de 2011

SINPROESEMMA e CTB visitam acampamento e lançam Nota Oficial em apoio à greve dos militares no Maranhão


O presidente da CTB no Maranhão, Professor Júlio Guterres visitou ontem o acampamento dos militares em greve na Assembléia Legislativa.
O professor que também é Diretor do SINPROESEMMA foi levar pessoalmente o apoio da Central e dos Trabalhadores em Educação do Estado aos Militares.


Ao falar para a multidão, júlio Guterres foi aplaudido e saudado por todos aos gritos de 'SINPROESEMMA, SINPROESEM...MA, SINPROESEMMA'.
O professor Júlio esteve na Assembléia que deliberou pela greve e na mesma noite no Programa do SINPROESEMMA 'Educação é Notícia', na Rádio Educadora AM, disponibilizou o apoio da Central e do SINPROESEMMA à luta dos trabalhadores da polícia militar do estado.
Ao lado de Júlio Guterres o presidente do SINPROESEMMA, Júlio Pinheiro também hipotecou solidariedade ao movimento dos militares maranhenses.
Júlio destacou que caso o governo do estado não cumpra com os compromissos assumidos com os trabalhadores em educação logo estarão juntos com os PMS e Bombeiros em greve.

Veja Nota Oficial do SINPROESEMNMA E CTB em apoio à greve dos militares do Maranhão:

Diante da decretação, por parte dos policiais e bombeiros militares, da paralisação de suas atividades laborais por tempo indeterminado, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (SINPROESEMMA) e a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), vêm a público para:
1. Manifestar solidariedade à luta dos policiais e bombeiros militares em defesa da reposição salarial de 30%, equiparação dos salários de policiais militares aos civis, modificação dos critérios de promoção e reorganização dos quadros de oficiais, implementação de jornada de trabalho de 56 para 44 horas semanais, fim do Regulamento Disciplinar do Exército (RDE), eleição do Comandante Geral da PM e valorização da atividade profissional;
2. Criticar o governo que preferiu o caminho do confronto ao do diálogo com os policiais e bombeiros militares, pois tem protelado o atendimento às reivindicações das categorias, e, no último prazo dado, mobilizou a Força Nacional e o próprio Exército em clara tentativa de intimidação dos policiais;
3. Cobrar da Assembleia Legislativa postura ativa na negociação e solução do conflito estabelecido entre governo do Estado e policiais e bombeiros militares, bem como celeridade nas votações dos projetos de interesse do funcionalismo público, que devem estar previstos no Orçamento do Estado para 2012;
4. Defender a organização autônoma e livre dos policiais e bombeiros militares em entidades representativas, a quem caberia a negociação das demandas das tropas;
5. Repudiar perseguições aos líderes e participantes do movimento paredista, tais como remanejamentos intempestivos, destituições de funções e prisões;
6. Denunciar que a responsabilidade, em última instância, pela insegurança pública é do governo do estado, a quem cabe tomar as medidas para organizar, municiar e custear as tropas militares.
7. Colocar-se à disposição para contribuir com a luta dos policiais e bombeiros e com a negociação capaz de superar o conflito e atender às demandas das categorias.

São Luís, 14 de novembro de 2011

Júlio Pinheiro Presidente do SINPROESEMMA
Júlio Guterres Presidente da CTB-MAVer mais

19 de novembro de 2011

Chávez ora por Lula e diz que AL precisa do brasileiro



O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse nesta sexta-feira (18) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem chamou de "coco pelado" por raspar a barba e a cabeça antes de sofrer as consequências da quimioterapia, "está marcado pela vida e sobreviverá".

"Vi Lula hoje com um novo 'look'. Está como eu, coco pelado, porque está fazendo quimioterapia. Vi sua mulher fazendo sua barba", afirmou Chávez em discurso durante a formação de policiais militares, onde pediu uma salva de palmas para o brasileiro.

"Avante, Lula. Lute contra a adversidade e viva porque te amamos, velho amigo. Precisamos de você para continuar forjando a unidade de nossos povos e a paz da América do Sul", acrescentou.

Após ressaltar que o ex-presidente é um "grande companheiro" e pedir orações para ele e por "esse grande povo irmão" do Brasil, Chávez insistiu que Lula também vencerá o câncer.

No dia 3 de novembro, o líder venezuelano, que anunciou no dia 30 de junho ter superado um tumor cancerígeno, declarou que havia terminado os ciclos de quimioterapia para evitar o ressurgimento da doença em seu organismo.

Chávez também pediu a seus aliados para tomarem cuidado com a "política de assassinato do império", mas descartou que o câncer de Lula possa ter sido causado por alguém.

O venezuelano frisou que "é uma especulação de alguém" que qualificou como uma "coisa muito estranha o que está acontecendo na América Latina com alguns líderes", ao citar a morte do ex-presidente argentino Néstor Kirchner, assim como o câncer da presidente Dilma Rousseff e do presidente do Paraguai, Fernando Lugo.

Fonte: Efe

10 de novembro de 2011

Emir sader: '23 coisas que eles não falam para vocês sobre o capitalismo'


Emir Sader


O número poderia ser infinito, mas para começo de conversa, o autor – Ha-Joong Chan, sul-coreano, que trabalha em Cambridge – seleciona 23. (23 things they don’t tell yu about capitalism", Penguin Books, Londres, 2011). Cada um pode acrescentar as suas. As dele são:

1. Não há isso que chamam de livre comércio.

2. As empresas não deveriam ser dirigidas em função do interesse dos seus donos.

3. Muita gente nos países ricos é paga acima do que deveria.

4. As máquinas de lavar mudaram o mundo mais do que a internet.

5. Assuma o pior sobre o povo e você vai obter o pior.

6. Maior estabilidade macroeconômica não fez a economia mundial mais estável.

7. As políticas de livre comércio raramente tornam ricos os países pobres.

8. O capital tem uma nacionalidade.

9. Nós não vivemos numa era pós-industrial.

10. Os EUA não têm o mais alto nível de vida do mundo.

11. A África não está condenada ao subdesenvolvimento.

12. Os governos podem punir os vencedores.

13. Tornando os ricos mais ricos não se torna os outros ricos.

14. Os executivos norteamericanos são pagos em excesso.

15. As pessoas nos países pobres são mais empreendedoras do que nos países ricos.

16. Mais educação, por si só, não faz um país mais rico.

17. O que é bom para a General Motors não é necessariamente bom para os EUA.

18. Não somos suficientemente tontos para deixar as coisas para o mercado.

19. Apesar do fim do comunismo, nós ainda vivemos em economias planificadas.

20. A igualdade de oportunidades pode não ser justa.

21. Governo forte torna as pessoas mais abertas para as transformações.

22. O mercado financeiro precisa se tornar menos e não mais eficiente.

23. Uma boa política econômica não necessita de bons economistas.

8 de novembro de 2011

PROFESSORES DO MUNICÍPIO DENUNCIAM: PREFEITO JOÃO CASTELO PRETENDE ACABAR COM POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DO MAGISTÉRIO

Encontra-se em tramitação no Tribunal de Justiça do Maranhão Ação Direta de Inconstitucionalidade n.º 7909/2011 (1678-17.2011.8.10.0000), ajuizada no dia 28/03/201.

A ação, que tem como autor o Prefeito João Castelo, tem o objetivo de declarar a inconstitucionalidade dos artigos 18, 20, 29 e 70 da Lei Municipal 4931/2008 (Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos dos Profissionais do Magistério Municipal), dispositivos que tratam da progressão vertical dentro da carreira do magistério municipal. A progressão vertical, nos termos do art. 20 supracitado, é a “elevação do Padrão de Vencimento PNM para PNS”, ou seja, a elevação do vencimento do professor com formação de nível médio para o vencimento do professor com formação de nível superior. O Prefeito de São Luís alega que o instituto da progressão vertical representa uma mudança de cargo e por isso é inconstitucional, na medida em que o ingresso em novo cargo só pode ocorrer através de concurso público, nos termos do art. 37, II, da Constituição Federal. A Adin tem como relatora a Desembargadora MARIA DOS REMÉDIOS BUNA COSTA MAGALHÃES e encontra-se atualmente aguardando a contestação por parte do Presidente da Câmara Municipal. Este, por sua vez, já foi citado duas vezes, mas manteve-se inerte, sem apresentar uma única linha em defesa da lei aprovada na casa legislativa que preside. O SINDEDUCAÇÃO, instituição diretamente interessada no desenlace deste processo, não foi sequer informado do ajuizamento da ação. Na verdade, existe um acordo de “cavalheiro” para fulminar a progressão vertical dos professores municipais. O prefeito João Castelo ajuíza a ação, o Presidente da Câmara Municipal é citado, mas não apresenta defesa, deixando o processo correr à revelia, e o SINDEDUCAÇÃO é mantido fora do processo. Este foi o cenário planejado pelas autoridades envolvidas nos polos ativo e passivo desta ação. Contudo, não é esse o cenário que está se concretizando. O SINDEDUCAÇÃO tomou conhecimento da Adin dentro do processo que trata do acordo coletivo judicial (Proc. n.º 17.044/2010), na medida em que o Município de São Luís foi obrigado a explicar porque não pretende pagar os retroativos decorrentes das progressões vertical e horizontal. Sentindo-se pressionada a explicar o inexplicável, a Procuradoria Geral do Município teve que informar o ajuizamento da Adin. O SINDEDUCAÇÃO já pediu a sua habilitação na ação e estará acompanhando a mesma de perto, inclusive exigindo que o Presidente da Câmara Municipal, através da assessoria jurídica da casa, conteste a ação e defenda a constitucionalidade do PCCV, no que diz respeito à progressão vertical do magistério. Para melhor esclarecer a matéria, vejamos como o PCCV disciplina a progressão vertical:





A progressão vertical está disciplinada no Plano de Cargo, Carreira e Vencimento do Magistério Público Municipal, Lei n.º 4.931/2008, em seu art. 20 e 70. Vejamos: (Lei anexa)



Art. 18. O desenvolvimento na carreira dos Profissionais do Magistério do Sistema de Ensino Público Municipal de São Luís far-se-á por meio de Progressão Funcional, no sentido horizontal e vertical.



Art. 19. A Progressão Horizontal - passagem do Professor de uma Referência para outra seguinte, dentro do mesmo Padrão de Vencimento, a cada interstício mínimo de 03 (três) anos, obedecendo aos critérios de Avaliações de Desempenho definidos mediante Ato do Chefe do Poder Executivo.



§ 1°. A avaliação de desempenho a que se refere o caput deste artigo compreende-se como um processo global e permanente de análise do desempenho do Profissional do Magistério no efetivo exercício do cargo.



§ 2°. O interstício referente ao Estágio Probatório é contabilizado para efeito da progressão estabelecida no caput deste artigo.



Art. 20. Progressão vertical - elevação do Padrão de Vencimento PNM para o PNS, obedecendo ao disposto no Art. 70, da presente Lei.



Parágrafo único - O professor em acumulação de cargo prevista na Constituição Federal poderá usar graduação, habilitação e/ou titulação em ambos os Cargos, obedecidos os critérios estabelecidos neste Plano.



Art. 70. A Progressão Vertical ocorrerá através de processo administrativo ingressado no Setor de Protocolo da Secretaria Municipal de Educação, devidamente comprovado, obedecendo às exigências a seguir:



§ 1º. O período para solicitação da Progressão Vertical dar-se-á nos meses de março e abril de cada ano;



§ 2º. A documentação e as condições exigidas para Progressão Vertical são as seguintes:



a) Cópia legível do contracheque do mês anterior;



b) Declaração do chefe imediato de que está em efetivo exercício do cargo;



c) Original do diploma e histórico de graduação em Licenciatura Plena, acompanhados de cópias que deverão ser autenticadas no ato do recebimento pelo órgão competente;



d) Comprovação de aprovação na Avaliação Especial de Desempenho, caso seja concursado.



Art. 71. As solicitações de Progressão Vertical serão analisadas por comissão constituída para esse fim, mediante Ato do Secretário Municipal de Educação.



Art. 72. A Coordenação de Recursos Humanos da Secretaria Municipal de Educação terá o prazo de 90 (noventa) dias, a contar da vigência da presente lei, para reestruturar o sistema de lotação e controle de exercício, atualizar os dados cadastrais, o nível de formação e habilitação profissional.



Em síntese, temos a progressão horizontal como sendo a passagem do servidor de uma referência para outra, a cada três anos, e a progressão vertical a elevação do servidor dentro do mesmo cargo, no que diz respeito ao seu padrão de vencimento, tendo em vista a sua maior qualificação profissional. “A carreira dos Profissionais do Magistério do Sistema de Ensino Público da Prefeitura de São Luís é integrada pelo Cargo Único de provimento efetivo de Professor, definida segundo o grau de formação, habilitação e padrão de vencimentos”. Essa é a disciplina do art. 7º da Lei n.º 4.931/2008. O seu art. 5º, inciso X, dispõe que a evolução funcional do profissional do magistério é o “provimento derivado, correspondendo à passagem do profissional de um padrão de vencimento para outro ou de uma referência para outra, dentro do mesmo cargo”. Não existe nenhuma mudança de cargo. O professor continua lecionando a mesma disciplina, na mesma sala de aula, para os alunos da mesma série. A única mudança é na sua qualificação como profissional.



A progressão vertical, quando da sua concessão, não pode representar um retrocesso à progressão horizontal já conquistada pelo servidor, na medida em que a carreira de professor é única e se desenvolve com progressões vertical e horizontal, institutos que funcionam em perfeita harmonia. A primeira justifica-se pela capacitação do profissional do magistério, ao concluir um curso de nível superior, alterando o seu padrão de vencimento, em decorrência de uma maior qualificação. A segunda desenvolve-se pelo tempo de vínculo do servidor com o ente público (interstícios de no mínimo três anos de uma referência para outra).

A progressão vertical, na verdade, é um avanço na legislação municipal, pois possibilita uma maior remuneração àquele servidor que decide melhor se qualificar, processo que tem como consequência direta uma melhoria na qualidade do ensino. O professor com maior capacitação profissional ensina melhor seus alunos. Esse é o espírito da Constituição Federal, em seu art. 39, bem como da LDB, em seu art. 67.



Contudo, o Prefeito de São Luís entende que a progressão vertical dos servidores do magistério representa uma ofensa ao art. 37, II, da Constituição Federal, por significar uma mudança de cargo, entendimento demasiadamente equivocado. Essa matéria já foi tão debatida nas instâncias ordinárias do Judiciário Maranhense, com a formação de uma jurisprudência pacífica acerca da legalidade da elevação funcional dentro de uma mesma carreira, que a única explicação para esse comportamento abusivo das autoridades públicas é a má-fé. Não conseguimos vislumbrar este posicionamento como o exercício legítimo de zelo com a coisa pública, mas sim como uma conduta ilegal e desrespeitosa para com o servidor público. Um verdadeiro abuso de poder. Alguns servidores já falam que tudo isso se trata de retaliação por conta do movimento paredista ocorrido no ano de 2010. Hipótese, que se confirmada, retrataria uma política de perseguição aos servidores do magistério. A utilização do cargo para retaliar/perseguir toda uma categoria é um ato típico dos administradores que atuaram nos tempos negros da Ditadura Militar. Temos certeza que o prefeito de São Luís guarda lembranças desse lamentável período da história do nosso país, época em que os administradores praticavam verdadeiras infâmias contras os direitos fundamentais.



Em função do ajuizamento da Adin, todos os servidores contemplados com as progressões vertical e horizontal estão prejudicados. São vencimentos sendo pagos aquém do devido, são pedidos de aposentadoria paralisados, são diferenças de vencimentos não pagas. Estamos diante de um verdadeiro desmonte do PCCV do magistério e um absurdo descumprimento do ordenamento jurídico em vigência. Tudo praticado pelo Prefeito João Castelo. Essa é a herança que esse administrador pretende deixar para a educação municipal. E não estamos diante apenas de descumprimento de leis. A falta de compromisso com a educação pode ser sentida em todos os sentidos. A realidade é lamentável e o Prefeito João Castelo está deixando-a pior. Servidor desrespeitado e desvalorizado não tem como desenvolver um bom trabalho. E quando esse trabalho é a educação de crianças podemos imaginar os efeitos negativos que uma política educacional desastrosa pode acarretar para uma população.



O SINDEDUCAÇÃO vem travando uma verdadeira guerra jurídica com o Município de São Luís para fazer valer direitos previstos em uma lei municipal vigente (PCCV). As decisões judicias têm sido favoráveis à categoria, mas o Prefeito João Castelo nega-se a cumprir ordens judiais. Parece que São Luís não segue os princípios de um Estado Democrático de Direito. A conduta autoritária e desrespeitosa do seu prefeito pode ser comprovada nos autos dos processos 7229/2009 e 18.823/2010. Nestas ações temos ordens judiciais não cumpridas há meses. No primeiro processo, uma ação ordinária com trânsito em julgado (que não cabe mais recurso), o município está obrigado a corrigir a tabela de vencimento do magistério desde 2004. O segundo processo é um mandado de segurança que garante a progressão vertical sem prejuízo da progressão horizontal a 35 (trinta e cinco) servidores. Nos dois processos o Prefeito João Castelo, diretamente ou através da sua procuradoria, já foi intimado, mas decidiu ignorar as ordens judiciais.



O Prefeito João Castelo vem descumprindo todas as ordens judiciais que beneficiam os servidores do magistério. Essa verdade deve ser dita e divulgada à população. Os professores não irão se curvar diante de administradores descomprometidos com a educação de qualidade e com a valorização do profissional do magistério. Se o Judiciário não consegue fazer cumprir suas ordens, situação que entendemos absurda, a categoria terá que garantir seus direitos da forma mais tradicional.



A assessoria jurídica do SINDEDUCAÇÃO está à disposição para maiores esclarecimentos através do e-mail: acaferreira_@hotmail.comEste endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .



A DIRETORIA

Fonte: SINDEDUCAÇÃO SÃO LUÍS-MA

3 de novembro de 2011

Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de São Luís estreia programa sábado, 5 de Novembro, das 8 as 9 da manhã, na Rádio Educadora AM 560

O Debate Metalúrgico está no ar!
Estreia neste Sábado, 5 de Novembro, das 8 as 9 da manhã, na Rádio educadora AM 560, o programa Debate Metalúrgico, um programa do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de São Luís - SINDMETAL.
Entrevistas, debates, ouvintes no ar, Marreta Neles e a agenda dos Metalúrgicos.
A Produção é da Ascom-SINDMETAL e a apresentação é de Marden Ramalho.
Conto com você!
Grande abraço!

1 de novembro de 2011

Aldo Rebelo é o novo Ministro do Esporte do Brasil



A presidente Dilma repetiu o ex-presidente Lula e, usando termos próprios do futebol, disse que, com a posse do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, nesta segunda-feira (31), “colocamos a bola no chão, reiniciamos o jogo e vamos para o ataque, por um Brasil mais justo e mais desenvolvido. Essa será a vitória de todos nós”.

O ex-ministro Orlando Silva fez um discurso de agradecimento e o novo ministro afirmou “que é honra e responsabilidade servir ao povo brasileiro, ao Brasil e ao governo”.

Segundo a Presidente Dilma, o novo ministro tem plenas condições de dar continuidade às políticas do ministério.

A presidente da República fez elogios ao ministro que sai, ao que entra e ao PCdoB, partido de ambos. Ela iniciou sua fala destacando que não estava nos planos do governo promover essa mudança, mas que quando conduzida a situações inesperadas, enfrenta, “com tristeza, mas sempre com coragem e determinação”.

“Foi o que fizemos nesse caso, sem abrir mão de construir o caminho que escolhemos”. E citou versos do cantor Martinho da Vila, filiado ao PCdoB, que, segundo ela, se ajusta a esse momento: “Deixo o mundo me rumar para onde eu quero ir”, destacando que “movidos por nossos princípios e nossas crenças e não para onde querem nos levar”.

Ela disse ainda que “as pessoas podem nos deixar, mas as políticas e linhas de ação terão que ser preservadas”. E, com o novo ministro Aldo Rebelo e o PCdoB, quer ver a continuidade do “trabalho excepcional” de Orlando Silva.

Trabalho excepcional

A presidente Dilma atribui ao ex-ministro “um excepcional trabalho, do qual sou testemunha como ministra e agora como presidente da República, de inclusão social e ampliação de oportunidades através do esporte”. Disse ainda que ele “não perde meu respeito e desejo sucesso na sua cruzada pela verdade”.

Fez elogio ao PCdoB, dizendo que preserva o apoio que considera “fundamental”. Disse que nos últimos nove anos, o PCdoB foi “parceiro leal e relevante no projeto de desenvolvimento baseado na democracia, na afirmação soberana do Brasil e crescimento com distribuição de renda e inclusão social”.

Em seguida, elogiou o novo colaborador. “Experiente, qualificado, sério, líder reconhecido, homem de estado e defensor corajoso de opiniões fortes dos interesses nacionais”, foi como a Presidente Dilma definiu Aldo Rebelo.

Segundo ela, “(o novo ministro) tem plenas condições de dar continuidade às políticas do ministério e estabelecer, desde logo, relações claras com entes envolvidos na preparação da Copa do Mundo e Jogos Olímpicos (...) e negociar, em busca de soluções em que todos ganhem, principalmente e especialmente o Brasil e o povo brasileiro, sem que a ninguém seja imposto abdicar de princípios e direitos legais em vigor no Pais”.

História, futebol e pilhérias

Em meio a referências históricas e futebolísticas, o novo ministro falou sobre a importância do esporte, principalmente o futebol, para o sentimento de “pertencimento” dos brasileiros ao seu país.

O novo ministro disse que o grande desafio à frente do Ministério do Esporte se torna menor pelo que já foi feito pelo antecessor, tanto na ampliação dos programas sociais como o Segundo Tempo, como na conquista dos grandes eventos esportivos como a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016. E disse também que precisará da ajuda do governo, de outros ministros, de dirigentes esportivos e até da imprensa para realizar seu trabalho.

Aldo Rebelo incluiu também em sua fala uma série de curiosidades e tiradas humorísticas. Ele destacou a importância do futebol para o mundo, recordando que a Fifa tem mais filiados do que a ONU (Organização das Nações Unidas).

O ministro lembrou que a dia de sua posse coincide com a data proposta por ele, em projeto de lei, de transformar o dia 31 de outubro em Dia do Saci, para se contrapor ao norte-americano Halloween. Torcedor do Palmeiras, ele celebrou a decisão da abertura da Copa do Mundo no estádio do Corinthias, para recusar o pedido do prefeito de Viçosa (AL), sua cidade natal, para sediar a abertura.

Aldo Rebelo incluiu, em seu discurso, a defesa de Orlando Silva e do seu Partido. Disse que Orlando Silva, mais que inocente, é vítima das consequências da luta social e da luta de ideias. Também defendeu o Partido, dizendo que não está acima das críticas e procura corrigir as deformidades, mas “esse Partido constitui a herança sublime, não só do Brasil, mas da humanidade pela continuidade de luta pela igualdade e pela liberdade”.

“Eu sou inocente”

O ex-ministro Orlando Silva fez um discurso de agradecimento, começando pela presidente Dilma Rousseff até a mãe, mulher e filha, presentes ao evento. Disse que sai do ministério com o orgulho de poder olhar nos olhos de cada um e dizer “Eu sou inocente”. A fala produziu aplausos do público, que ficou de pé, calando o ministro por alguns minutos.

Nos seus agradecimentos, o ex-ministro incluiu o ex-presidente Lula, que, como a presidente Dilma, lhe deu oportunidade de participar do trabalho na área, quando conquistou grandes avanços nos programas sociais e desenvolvimento do esporte no Brasil e na realização de grandes eventos como a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Agradeceu também à sua equipe que, segundo ele, “é pequena, mas muito aguerrida na busca dos objetivos traçados no planejamento de trabalho”. E agradeceu ainda ao seu Partido – o PCdoB, quando incluiu elogios ao novo ministro Aldo Rebelo: “Um homem público de grande envergadura”, acrescentando que “um dos maiores orgulhos que tenho é de fazer parte da mesma tradição do Partido de Aldo Rebelo”.

Transmissão de cargo

Na transmissão de cargo, na sede do Ministério do Esporte, após a cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente do PCdoB, Renato Rabelo, discursou. Em resposta aos elogios, agradecimentos e homenagens dirigidas a ele, o presidente do Partido fez um elogio a Orlando Silva, a quem definiu como “destemido e orgulho do nosso Partido”.

Ele disse à equipe do ministério que acompanhou a solenidade que o PCdoB é um Partido de princípios e ideias, programas e projetos. Tem uma aliança de longa data com o presidente Lula, fazendo um levantamento da participação da legenda nos governos Lula e Dilma, porque existe uma identidade de políticas e rumos. Ao mesmo tempo, explicou que “cabe ao ministro considerar a política definida pelo governo, o PCdoB não interfere nas ações do ministro”.

De Brasília
Márcia Xavier

31 de outubro de 2011

Do Blog do Miro: 'Repúdio ao tribunal midiático no Brasil'



Nas últimas semanas, a mídia hegemônica mostrou mais uma vez suas garras. De forma inescrupulosa, se aproveitou de denúncias vazias para governar o país no grito.

Inconformados com o fato de terem perdido nas urnas a eleição presidencial, tentam impor uma agenda negativa para a nova presidente, tendo como foco a desmoralização dos quadros políticos que ocupam seu primeiro escalão. Com muito orgulho, os barões da mídia se vangloriam de ter derrubado o 6º ministro de estado em 10 meses de governo.

O alvo da vez foi o ex-ministro do Esporte Orlando Silva. Baseados em afirmações feitas por um homem com extensa ficha corrida na justiça, acionado por ter desviado milhões dos cofres públicos e que não apresentou nenhuma prova contra o ex-ministro, a mídia criou um tribunal de exceção para julgar e condenar publicamente Orlando Silva. Num primeiro momento, a presidente Dilma Rousseff resistiu à investida da mídia, mas não suportou a pressão e cedeu à chantagem midiática.

Ao se curvar, mais uma vez, aos interesses dos grandes conglomerados de comunicação e se pautar pela efemeridade das pesquisas de opinião, a presidente Dilma cria um perigoso precedente para a democracia brasileira e uma arapuca para o seu governo.

No primeiro caso, porque qualquer pessoa pública passa a ter o ônus da prova de sua inocência, violando um princípio Constitucional, e pode ser fuzilada no paredão da sanha reacionária. No segundo, porque a mídia e a elite conservadora que ela representa se sentem fortes para continuar a investida contra o seu governo. Já há, inclusive, os que apontam os próximos alvos. Engana-se a presidente se ela acredita que adotando uma postura subserviente à mídia ela estará fora do alcance dos seus fuzis.

Nessa guerra midiática, a estratégia da mídia e das elites é desmoralizar os partidos que compõe a base do governo e seu primeiro escalão com o objetivo de enfraquecer a presidente, que pode ser o próximo alvo.

Este episódio só fortalece a necessidade de o Brasil discutir urgentemente um marco regulatório para as comunicações. A mídia ataca os que defendem a regulação porque tem o monopólio da capacidade de gerar escândalos – mesmo que a partir de fatos que não os justifiquem – ou de abafá-los, quando lhes interessa. O país não pode mais ser refém das vontades políticas das poucas famílias que controlam 80% do conteúdo dos meios de comunicação. Só por meio da regulação é possível garantir a liberdade de expressão para todos, ampliar o pluralismo e a diversidade da comunicação brasileira.

Fonte: Blog do Miro

26 de outubro de 2011

Do Vermelho: Ministro do Esporte, Orlando Silva, entrega o cargo

“Essa vai ser uma conversa rápida que estão me esperando em casa para cantar os Parabéns”, disse o ministro do Esporte, Orlando Silva, ao anunciar a sua saída do ministério, após reunião com a Presidente Dilma, nesta quarta-feira (26), no Palácio do Planalto. O aniversário a que ele se referia era o da mãe dele. Após o ministro, o presidente do PCdoB, Renato Rabelo disse que caberá à Presidente da República nomear o sucessor. “O que posso adiantar é que a Presidenta vai resolver isso logo”.


Ele disse que ao examinarem a crise dos últimos dias, decidiu que “nosso Partido não pode ser instrumento de nenhum tipo de ataque ao governo, por isso o resultado da reunião é que a melhor solução é me afastar do governo”, afirmou. A Presidente apoiou a decisão.

E pediu aos jornalistas que continuem acompanhando os fatos para que, em breve espaço de tempo, “possam dedicar as mesmas páginas apresentadas até aqui para mostrar a verdade que está comigo”.

Orlando disse que, afastado do Ministério, poderá defender “com mais ênfase, a minha honra” e que continuará defendendo “o meu governo e o sucesso e o trabalho do Ministério do Esporte”. E também enfatizou a luta em defesa do seu Partido, “que tem uma história tão bonita, que tem mártires e identidade com a luta dos trabalhadores”.

“Hoje completa 12 dias que sofri ataque baixo, vil, baseado em mentiras, que produziu crise política”, avaliou Orlando, justificando a sua saída: “Eu tenho compromisso com governo da Presidente Dilma, o nosso partido participa desse governo, e temos orgulho da orientação política do governo. Somos entusiastas da condução firme da presidenta Dilma na grave crise internacional”, afirmou.

As mesmas palavras foram ditas pelo presidente do Partido. Renato Rabelo lembrou que “o PCdoB mantém grande intimidade e identidade com a Presidenta Dilma e os rumos desse governo. O partido não está no governo porque caiu de paraquedas, mas por que tem aliança desde o Presidente Lula e com o PT desde 1989, participou de todas as eleições presidenciais e evidentemente contribuímos para a vitória de Lula em 2002, 2006 e para Presidente Dilma em 2010”.

Rabelo defendeu, como fez desde o início, o ministro Orlando Silva, “porque é um ministro honesto, competente, sincero, jovem com grande capacidade. Nada foi provado do que o acusam. Toda acusação foi montada em cima de pessoas desqualificadas”, destacando que “se o país e os partidos verdadeiramente democráticos fossem considerar essa montagem como coisa séria, seria retrocesso para o nosso país”.

Para Renato Rabelo, “o ministro foi bombardeado por calúnia, montagem sórdida”, o que causa muita indignação ao PCdoB, mas que não se intimida. “Não nos intimidamos diante dessas tentativas e manobras para desmoralizarem o Partido, que tem história, fisionomia e ideologia. Não nos intimidamos. Aliás nunca nos intimidamos”, concluiu.

O PCdoB distribuiu nota com a imprensa em que afirma que os comunistas seguem "de cabeça erguida". Leia a íntegra do seu pronunciamento.

Dando seguimento à escalada de tentativas de desestabilização do governo da presidente Dilma Rousseff, desde o último dia 15 o campo político reacionário do país e veículos do monopólio de comunicação desencadearam uma criminosa campanha difamatória contra o ministro Orlando Silva e o Partido Comunista do Brasil.

O PCdoB, neste momento, vem reafirmar a convicção na inocência e integridade de Orlando Silva no exercício da titularidade do Ministério do Esporte. Esta convicção é baseada na ausência absoluta de provas, na fonte desqualificada que o acusa, e na sinceridade e na segurança com que ele sustenta que não há fatos que o incriminem.

Ressaltamos que desde a primeira hora Orlando defendeu com altivez sua honra e dignidade. Demonstrando segurança de que tudo deriva de uma campanha difamatória, de pronto ele solicitou a investigação provocada pelo Procurador-Geral da República junto ao Supremo Tribunal Federal. Além disso, pediu à Polícia Federal e a outros órgãos de controle do Estado uma apuração rigorosa das falsas acusações que lhe foram lançadas. Também abriu mão de seus sigilos telefônico, fiscal, bancário e de correspondência.

É importante assinalar que a gestão de Orlando Silva à frente do Ministério do Esporte elevou esta pasta a outra dimensão. Prova disso é a conquista da realização no Brasil da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Destacam-se, também, as políticas aplicadas e o sucesso que alcançaram tanto em termos de difusão massiva de práticas desportivas, quanto aos recordes alcançados pelo Brasil em competições e o aumento do número de nossos atletas com nível de desempenho internacional, como fica evidente com o desempenho da delegação brasileira nos Jogos Pan-Americanos, no México.

O Partido Comunista do Brasil uma vez mais rechaça os ataques contra sua legenda, igualmente caluniosos e sem provas. Nosso Partido tem 90 anos de história de luta e de heroísmo em defesa do Brasil e da democracia. Nossa legenda tem um perfil ideológico claro e um Programa Socialista que defende o fortalecimento da Nação e uma vida digna para o nosso povo. A verdadeira “caçada” movida contra ele pelo campo político reacionário do país e veículos do monopólio midiático vem do seu fortalecimento crescente na condição de um Partido contemporâneo e revolucionário.

Porém, entendemos que esse ataque não é somente contra a liderança de Orlando Silva e o nosso Partido. O objetivo das forças conservadoras e da grande mídia é golpear o governo da presidente Dilma Rousseff quando ela lidera com êxito o enfrentamento dos efeitos da crise capitalista mundial sobre o Brasil.

O Partido e o companheiro Orlando Silva estão de cabeça erguida e altiva diante desta campanha infame. O tempo e as investigações irão demonstrar que tudo não passa de calúnia. A verdade – estamos convictos – vai prevalecer sobre a mentira. O PCdoB, com a unidade de seu coletivo militante e apoio do povo e dos aliados, reafirma seu compromisso com a luta pelo êxito do governo Dilma na sua missão de conduzir o Brasil à nova etapa de seu desenvolvimento com distribuição de renda e valorização do trabalho.

Brasília, 26 de outubro de 2011.

Renato Rabelo
Presidente do Partido Comunista do Brasil-PCdoB