30 de outubro de 2010

Notas na madrugada de sábado



É agora que a onça vai beber água
Acabei de tirar meu título da gaveta. Como não é proibida a sua apresentação, ao contrário, é recomendável, embora não obrigatória, estou sempre com ela em mãos. A questão é que sou árduo defensor do documento eleitoral individual, pois penso que separa mais e bem as coisas, permitindo, em minha opinião, um contato mais pessoal com a própria justiça eleitoral.
Por soberania, investimentos nacionais, postura antiimperialista, justiça social, cidadania, mais direitos da pessoa humana, distribuição de renda, reforma agrária, emprego, mais universidades, mais pesquisa, mais gente, mais povo.
Pelo BRASIL!!!!!!!!!!!!!
Dilma 13 presidente!!!!!!!!!!!!!

Cobertura da eleição pelo Blog

A eleição tem início às 08:00 e término definido para as 17:00 desse Domingo, 31 de Outubro de 2010. É o segundo turno entre Dilma Roussef(PT) e José Serra (PSDB).
O Blog fará cobertura da eleição. Acompanhe aqui os principais lances e sínteses do dia a dia da votação.



Vidigal contador de histórias

Boa também foi a história contada pelo ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça, Edson Vidigal, quando concedia entrevista ao Radialista Sandro Moraes, na Rádio São Luís.
Vidigal discorria longamente sobre os diversos momentos que antecederam à formação das chapas, majoritárias e proporcionais, das oposições aqui no Maranhão.
A certa altura Vidigal detona, em tom de crítica à postura individualista de alguns candidatos ditos de oposição: “Olha, no Maranhão o que existe mesmo é a chamada oposição murici, aquela que ‘em época de murici, cada um cuida de si’.

Vidigal contador de histórias 2

Outra pérola de Vidigal foi quando falava sobre cultura partidária no Maranhão: “No Maranhão temos muitos partidos que são conhecidos como ‘partidos de suvaco’, aqueles em que o sujeito bota a pasta com a documentação do partido debaixo do suvaco e sai por aí.”



Rapaz, não tem condição!

Olha, não é por nada não, mas essa saída dialética que encontrou o Deputado Federal Cleber Verde (PRB) para escapar de problemas que o levariam à cassação foi algo do tipo incrível. Quer dizer, de ficha suja, demitido do serviço público, e com o mandato prestes a ser cassado, ele agora dá um salto triplo carpado, e não só se afirma como Parlamentar, como também foi readmitido no seu cargo de Analista Administrativo do INSS.
E tem mais. Ainda irá receber, corrigido, tudo aquilo que deixou de receber nesses anos todos que permaneceu distante do órgão.
Será se é ‘MacGiver’, um ‘muleque’ desse?



Elites desceram do salto
O Presidente da CTB no Maranhão, Professor Júlio Guterres, em entrevista concedida no Programa do SINPROESEMMA na Rádio Educadora AM, disse assim, referindo-se ao encontro entre a caminhada organizada pelas Centrais Sindicais e a que tinha a Turma do Serra à frente. O momento ocorreu nas ruas do centro de São Luís, Sexta Feira (29).
“As elites de São Luís, lideradas pelo prefeito João Castelo (PSDB), saíram de seus palacetes e mansões e tiveram que descer do salto para andar pela rua grande.”

Momentos de dificuldade

A Rádio Educadora AM continua a viver momentos de dificuldades financeiras. A emissora chega a seis meses de salários atrasados. Alguns funcionários estão passando por situações constrangedoras. E isso se reflete, sobretudo, na hora de comprar e pagar no comércio.
Na última semana, um fato curioso ocorreu no programa Comando 560, que marca bem a delicada situação. A certa altura do programa, Silvan Alves pôe uma ouvinte no ar, que pede pra fazer uma ‘denunça’.
D. Maria começa a contar que é uma pequena comerciante no Sá Viana, que vivia do comércio, com uma rendinha ‘pôca’, e tal. Ela falou e emendou em seguida, dizendo que já estava prestes a falir porque alguns funcionários da emissora haviam comprado fiado no comercio dela e não estariam honrando com o compromisso, ou tendo dificuldades para tal.

Boa noite!!!!!

Blog fará ampla cobertura do dia a dia eleição

"Amanhã, vai ser outro dia!"
Chico Buarque

O Blog vai dar continuidade ao trabalho que iniciou ainda no primeiro turno eleitoral e fará ampla cobertura do dia da eleição aqui no estado.
Além de conectados com os principais Portais de notícias do Brasil e com as Redes Sociais para colher e sintetizar o que de mais essencial aconteça num dia tão movimentado e decisivo para toda a nação, disponibilizaremos a todos números da eleição, detalhes dos candidatos, o que dizem analistas e cientistas políticos sobre o resultado.
O Blog fará visitas aos locais de votação, conversará com eleitores, trará fotos do dia a dia da cidade.
O Blog também buscará nas principais emissoras de rádio AM do estado os fatos mais relevantes.
Alem, é claro, que teremos a possibilidade do contato e do feedback on line entre os amigos e colaboradores do Blog. Vou disponibilizar o e-mail marden.ramalho@yahoo.com.br para quem quiser enviar informações onde quer que esteja.
Estão todos convocados a participar.

29 de outubro de 2010

Taí, tucanada doida! É por isso que o projeto que Dilma representa deve seguir à frente do Poder Central da República




Novo poço no pré-sal pode dobrar reservas de petróleo no Brasil

A Agência Nacional de Petróleo (ANP) informou nesta sexta (29) que a reserva de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos, pode conter mais petróleo do que a soma de todas as reservas já comprovadas no país.

O volume de óleo recuperável em Libra pode chegar a 15 bilhões de barris. Atualmente, as reservas brasileiras somam 14 bilhões de barris. O maior poço já descoberto na plataforma continental até agora foi o de Tupi, também no pré-sal da Bacia de Santos, com reservas estimadas entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris.

Segundo a ANP, Libra fica em um bloco de propriedade integral da União e foi auditado pela certificadora Gaffney, Cline & Associates. A certificadora avaliou que o volume recuperável pode variar entre 3,7 bilhões e 15 bilhões de barris, sendo mais provável a possibilidade de extração de 7,9 bilhões de barris.

“Esta descoberta, situada no gigantesco prospecto Libra conforme expresso no relatório da certificadora, valoriza enormemente o patrimônio da União”, afirmou a agência reguladora em nota.

O poço situa-se a 183 quilômetros (km) da costa do Rio de Janeiro, sob 1.964 metros de lâmina d'água e a 5,4 km de profundidade. “A profundidade final prevista, de cerca de 6.500 metros, é estimada para ser alcançada no início de dezembro próximo”, informou a ANP.

Fonte: Agência Brasil

Edir Macedo desanca Silas Malafaia e dispara:"O espírito do profeta velho continua enganando."


Edir Macedo, vota em Dilma


Silas Malafaia, vota em Serra

Tenho dito que o debate em torno da eleição presidencial envolvendo temas religiosos é terreno delicado e não deve ser exposto de qualquer forma. Deve-se respeito amplo às múltiplas forças espirituais do povo.
Leio no Jornal da Igreja Universal (Folha Universal) matéria de 05 páginas, onde o ponto central são os falsos cristãos e os temas religiosos. A matéria é interessante e aborda com uma visão dos próprios evangélicos.
Neste artigo postado em seu Blog e na útima pagina do Folha Universal, o líder maior da IURD, Igreja Universal do Reino de Deus, desanca o também pastor, Silas Malafaia, mostrando a farsa que há por trás da agressividade estéril do Pastor Silas 'Murdock' tupiniquim..
Daqui a pouco vou repercutir aqui no Blog a matéria e seus principais pontos.
Por enquanto, nada como um cristão respondendo a outro cristão.


A principal característica do profeta velho é o engano.

Em I Reis 13, encontramos um homem de Deus sendo enganado por aquele que deveria orientá-lo, falar a verdade e guiá-lo no caminho certo.
Temos visto nos últimos dias uma verdadeira demonstração de que o espírito do profeta velho continua atuando e tentando levar as pessoas ao engano.
Veja o que aconteceu com o pastor Silas Malafaia, que iniciou a campanha política apoiando a candidata Marina Silva e depois, usando o argumento frágil de que o partido dela, o PV, apoiava o aborto, mudou de lado e, para justificar que não apoiaria a candidata Dilma, acusou o PT de ser a favor do aborto e apoiar o casamento de homossexuais. Pronto, o caminho estava aberto para, sabe-se lá com que interesse, apoiar o candidato Serra.
Como não há nada escondido que não seja revelado, veio a declaração do próprio Serra, em vários meios de comunicação, de que é favorável ao casamento de homossexuais. E não para por aí não. Explodiu como uma bomba a denúncia de algumas ex-alunas da esposa do candidato, Monica Serra, que ficaram indignadas com a hipocrisia do casal de que, como cristãos, são radicalmente contra o aborto. Inclusive, a Sra. Monica chegou a dizer que se Dilma vencesse, ela iria matar as criancinhas.
Revoltadas, as alunas disseram que em uma aula, muito tempo atrás, a Sra. Monica declarou que havia feito aborto, com o consentimento de seu marido José Serra.
Agora ficam as perguntas: O que fez o pastor Malafaia mudar de lado? Ele vai continuar apoiando o Serra?
Diante desse cenário temos que lembrar o que aconteceu com o homem de Deus (I Reis 13) que seguia o seu caminho e foi levado à morte, enganado pelo profeta velho, porque não guardou a sua fé.

Fonte: http://bispomacedo.com.br/2010/10/16/cuidado-com-o-profeta-velho/

28 de outubro de 2010

CTB e entidades do movimento social maranhense realizam ato pró-Dilma em São Luís


Júlio Guterres, Presidente da CTB/MA (PCdoB)


Dilma Roussef, Candidata a Presidenta do Brasil (PT)

Sindicalistas e militantes de diversos movimentos sociais maranhenses realizarão na tarde desta sexta, 29, uma concentração na Praça João Lisboa seguida de caminhada pela rua Grande em apoio a candidatura presidencial de Dilma Roussef. O movimento é organizado pelas direções da CTB, Força Sindical, Nova Central, Unegro, UBES, UNE e UJS. “Vamos mostrar que o Maranhão está com Dilma e continuará lutando contra a oligarquia Sarney”, anunciou o presidente da CTB, Júlio Guterres.

Mesmo insatisfeitos com o apoio de Lula e Dilma à candidatura de Roseana Sarney ao governo do Maranhão, os dirigentes dos movimentos sociais sustentam a necessidade de manter o bloco político liderado pelo PT no comando do país. “O Brasil está no caminho certo, assegurando desenvolvimento econômico com justiça social. A hora é de avançar nesse rumo”, avalia Guterres.

O presidente da UJS, Henrique Carneiro, também reclama da vinculação de Lula e Dilma ao grupo Sarney, mas afirma categoricamente que nem isso justifica uma postura de apoio a José Serra. “Serra representa um grande retrocesso para o nosso país, com repercussões negativas também no Maranhão. Por isso estamos com Dilma, com a certeza de que é necessário ampliar em nosso estado o combate à oligarquia que fraudou as eleições e impediu a ida do companheiro Flávio Dino ao segundo turno”.

UFMA – Ontem um grupo de estudantes, professores e funcionários administrativos fez panfletagem em apoio a Dilma na entrada do Campus da Universidade Federal do Maranhão. De acordo com Alan Kardec Barros, professor da instituição, “houve uma recepção calorosa da comunidade universitária que mostra o reconhecimento ao que vem sendo feito pelo governo Lula em defesa das universidades públicas brasileiras”.

Só muita borracha. Turma do Serra é flagrada usando Blog falso em nome de Marina. A Senadora reagiu de pronto:"Não usem meu nome."



A senadora Marina Silva (PV-AC) criticou, hoje, duramente os setores do PSDB que promoveram iniciativas fraudulentas de envolvê-la em ações de apoio à candidatura de José Serra.

“Não usem meu nome para o vale-tudo eleitoral”, advertiu Marina ao tomar conhecimento de um endereço de e-mail falso (marina@pv.gov.br) e de um post do blog Eu Vou de Serra 45 que manipula declarações dadas por ela durante a campanha do primeiro turno.

“Infelizmente, muitos não aprenderam nada com os resultados das urnas e continuam a promover a política de mais baixo nível ao usar estratagemas banais para buscar votos”, declarou a ex-presidenciável do PV.

O e-mail com o remetente marina@pv.gov.br é direcionado aos simpatizantes de Marina e contém mensagem em nome da senadora e do PV com pedido para que se unam em torno da candidatura de Serra.

Por sua vez, o blog da militância tucana lança mão de declaração da então candidata verde à Presidência de forma descontextualizada para fazer seu proselitismo eleitoral. “Marina se posiciona: Brasil não pode ser entregue a quem conhece”, afirma inadvertidamente a divulgação dos defensores do ex-governador de São Paulo.

Fonte: UOL Eleições 2010

Estudantes do Brasil escracham o candidato diabão



Clique no link abaixo e veja você mesmo quanta ciatividade tem os nossos jovens estudantes brasileiros para falar do mal que serra faria ao Brasil caso chegasse à Presidencia da República.

http://www.conversaafiada.com.br/video/2010/10/27/video-estudiantes-contam-porquem-votam-no-serra/

Fonte: Conversa Afiada

Deputado Estadual do PCdoB topou abrir debate sobre Conselhos Estaduais de Comunicação



O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB) apresentou, ontem (27), requerimento à mesa-diretora da Assembleia Legislativa para que se promova uma audiência pública para se debater a criação do Conselho Estadual de Comunicação.

“Proponho o debate sobre o Conselho de Comunicação com base no que assegura o Artigo 224 da Constituição Federal e no que foi proposto e aprovado na 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom)”, disse o parlamentar do PCdoB.

A Constituição Federal, no seu Artigo 224, prevê que: para os efeitos do disposto neste capítulo, o Congresso Nacional instituirá, como seu órgão auxiliar, o Conselho de Comunicação Social, na forma da lei, com direito a criação de órgãos correlatos nos estados, a exemplo dos demais conselhos nacionais.

Segundo Pereira a realização da audiência possibilitará o debate se a criação de órgãos reguladores e fiscalizadores é de fato uma necessidade exigida por parte da sociedade maranhense e brasileira, principalmente a que compreende os agentes situados à margem do espaço de atuação das grandes empresas de comunicação, como os profissionais da produção independente de cinema, rádios e TVs comunitárias e educativas, além de movimentos sociais

“Salvaguardar esses dispositivos da Constituição implica na preocupação com a livre manifestação de pensamento, expressão e criação; assim como na adequação de programações culturais para o público receptor e no zelo pela prevenção do monopólio e oligopólio dos meios de comunicação, além de cuidado para que a mídia detenha-se em produções com finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas”, defendeu o comunista.

Rubens Pereira Junior frisou que hoje, existem conselhos municipais, estaduais e nacionais, nas mais diversas áreas, seja na Educação, na Saúde, na Assistência Social, entre outros. “Um Conselho de Comunicação Social é, assim como os demais Conselhos, um espaço para que a sociedade civil, em conjunto com o poder público, tenha o direito a participar ativamente na formulação de políticas públicas e a repensar os modelos que hoje estão instituídos”, assegurou.

O deputado relembrou que o Conselho é uma reivindicação histórica dos movimentos sociais, organizações da sociedade civil, jornalistas e setores progressistas do empresariado que atuam pela democratização da comunicação no país.

“A proposta do Conselho não é uma construção de partido político A ou B. Falta com a verdade quem diz ser inconstitucional o Conselho de Comunicação, pois este está previsto na Constituição. Jamais compactuaremos com Conselhos de qualquer natureza que representem uma tentativa de censura ou de cerceamento à liberdade de imprensa”, frisou o parlamentar.

Fonte: ASCOM Assembléia Legislativa / Maranhão

27 de outubro de 2010

Enquete realizada pela Rádio São Luís AM não pode ser considerada do ponto de vista científico



É claro que a enquete realizada pela Rádio são Luís AM contribuiu com a dinâmica eleitoral brasileira. Muito do que se faz hoje para abrilhantar mais ainda nosso processo eleitoral é sempre surpreendente. E isso acontece de uma maneira meio desorganizada, ou seja, cada um faz uma atividade e o processo é assim efetivado como tal.

Neste caso, a Rede Jovem Pan AM e o Grupo Zildeni Falcão, via Rádio são Luís AM, aplicou uma enquete em rede, realizada via telefone, nas centenas de emissoras espalhadas pelo país. A participação em São Luís foi de 390 ouvintes que puderam externar o voto para presidente da República ao vivo, para todo Brasil, na Rede de Rádios Jovem Pan AM. O resultado foi estrondosamente favorável ao tucano José serra.

Até aqui nenhuma novidade, pois sabe-se que nos debates sobre as modernas teorias da comunicação social afirmam que na formação do imaginário do público que compõe o rol de ouvintes das emissoras, passam processos de afirmação que chegam a construir nas pessoas a ideia de seguir o mesmo modo de ser ou aquele modo que é exposto na linha editorial da empresa/emissora que ouve. Para muitas pessoas, é quase como uma regra 2, um modo de vida mesmo. E isso se dá pela maneira eficaz como trabalham as áreas de marketing das empresas, que conseguem influenciar e manter certa ingerência na condução comportamental dessas pessoas. A Jovem Pan sabe fazer esse trabalho como muitos poucos no Brasil sabem.

Além disso, a posição do Sistema Jovem Pan é tem tendência a ter boa relação com a candidatura Serra. Isso até que é, digamos, normal, pois é pode ser apenas uma questão de negócios. Por mera coincidência o Governo do Estado de São Paulo seria um dos principais parceiros comercias da Jovem Pan na quele estado. São vultosos os contratos publicitários, sobretudo numa Rede de emissoras como é a Jovem Pan AM.

E é exatamente ali, na publicidade, que, subliminarmente, as mensagens sempre atuaram, e atuam, diariamente, no subconsciente dos milhões de ouvintes das emissoras que compõem a rede Jovem Pan. A influência é clara, e isso é certo, interfere no resultado de qualquer enquete. Penso que por perder o grau de imparcialidade necessária exigida para essa situações. Por isso mesmo é que o elemento enquete é considerado como método de captação de opinião não científico. Portanto, não confiável.

É verdade, não houve ali manipulação de ouvintes ou coisas do tipo. Mas é óbvio que a tendência do ouvinte da Pan é votar no Serra. Ademais, é como se, por acaso, a pesquisa tivesse sido realizada na Mirante AM. É claro que lá daria Dilma na frente, pela tendência da formação do pensamento do ouvinte Mirante. Ou se acaso fosse na Rádio Capital AM, o resultado seria pró Serra. É uma questão de lógica.

Uma vez mais digo, parabéns à Rádio São Luís e à Rede Jovem Pan pelo trabalho e a opportunidade que gerou a centenas de ouvintes. Ademais, se nem eles mesmos acreditam na eficácia científica do resultado da enquete, o que dirá o eleitorado brasileiro.

Prefeito de São Luís fala mal de Lula e Dilma e ainda afirma: “Eu dobrei o Bolsa Família.”



Em entrevista concedida ao Jornalista Silvam Alves hoje pela manhã no programa Roda Viva, da Rádio Educadora AM, o prefeito de São Luís, João Castelo respondeu a perguntas sobre a derrota das oposições no Maranhão em 2010 e campanha presidencial.

Sempre que trata de questões administrativas, Castelo faz questão de lembrar o ‘mal’ deixado por seus antecessores. O prefeito não chega a citar nomes, mas os ex-prefeitos,Tadeu Palácio e Jackson Lago, são os alvos certos das críticas do gestor tucano. O prefeito diz sempre ter encontrado a cidade “quebrada”,” esbandalhada”, “falida”, e hoje disse ainda que as dívidas do município chegavam a cerca de “500 milhões de reais, dos quais já paguei 300 milhões”.

Ao falar da campanha presidencial, o prefeito rasgou elogios ao candidato Serra. Com relação à dispersão das campanhas aqui no estado disse: “A única pessoa que nunca deixou de fazer campanha para o Serra no Maranhão foi a minha filha, Gardeninha, por que ela tem convicção.” A declaração foi dada em tom de cobrança quanto aos outros tucanos do estado, que nem mesmo o ‘corpo mole’ fazem, e simplesmente não entraram na campanha do PSDB, salvo raras lideranças, com ações isoladas e fragmentadas.

Em certo momento castelo estocou: “Você viu o lula e a Dilma alguma vez nessa campanha aqui no Maranhão? Será se têm vergonha de seus apoiadores?” A todo instante o prefeito bateu no Governo Federal e sequer considerou a parceria com o Bolsa Família e outras tantas. “Eu dobrei o bolsa família.”, disse a certa altura o prefeito com ar de empáfia. Mas todos sabem que não é a prefeitura que faz a ação de dobrar, ou mais que dobrar, o número de beneficiados do bolsa família na capital. A verdade é que o Programa e os recursos vêm totalmente do Governo Lula e a ação de ampliar o número de beneficiados cabe à prefeitura que apenas viabiliza os cadastros e outros dados, para serem consultados e confirmarem a continuidade do benefício.

Sobre as oposições, João castelo disse: “O Sarney sempre ganhou a eleição no Maranhão dividindo as oposições. No dia em que ele não conseguiu dividir, ele perdeu.” Castelo disse ainda que também a ambição pessoal de muitos ajudou à oposição perder. “Afinal, quem aí teve algum desprendimento para unir a oposição?”, questionou o prefeito.

Na Sexta, 29, Centrais Sindicais do Maranhão devem ocupar Ruas do centro histórico de São Luís em apoio a Dilma Roussef


A CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), sindicatos filiados o Movimento Social do Maranhão fará nessa sexta-feira (29) caminhada pela Rua Grande para manifestar apoio à candidata à presidente da república, Dilma Roussef (PT).
A concentração está marcada para as 16h e o ponto de encontro será na praça João Lisboa.

A caminhada servirá para demonstrar o apoio à candidata Dilma e também deixará claro para a sociedade o que pensa e o que quer o conjunto do movimento social maranhense acerca do caminho que devem seguir. Em essência, defendem um projeto de desenvolvimento nacional, com valorização do trabalho, que ponha fim às desigualdades regionais, que aprofunde a democracia e que defenda os princípios democráticos da soberania e da união nacionais.

Na avaliação de Centrais Sindicais como a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), o movimento já havia se posicionado no primeiro turno, pedindo votos para a candidata petista e volta agora na reta final para garantir a vitória da candidata em 31 de outubro. A clareza quanto à posição dos trabalhadores na eleição serve para assentar compromissos entre os candidatos e os interesses da sociedade e especificamente dos trabalhadores.

Plenária popular hoje. Caminhada amanhã

Além da caminhada de sexta, Daqui a pouco está programada também uma reunião com as Centrais Sindicais e sindicatos filiados, partidos políticos, entidades estudantis e juvenis, de mulheres, religiosos, negros, índios, homossexuais e tantos outros. É o Dia Nacional de Mobilização em apoio a Dilma.
Será uma espécie de Plenária Popular dos Movimentos Sociais, a ser realizada no auditório do sindicato dos bancários, na Rua do Sol, centro de São Luís hoje, com início previsto para as 17h.

26 de outubro de 2010

De São Paulo, Fábio Palácio destaca ato em apoio a Dilma que aconteceu na USP


A Universidade de São Paulo demonstra apoio a Dilma. Professores, estudantes e técnicos prestigiam ato na USP

Por: Fábio Palácio de Azevedo

A Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo foi palco, na noite de ontem (25), de mais uma massiva manifestação da intelectualidade em apoio a Dilma Rousseff.

Cerca de 2 mil pessoas superlotaram o prédio onde funcionam os cursos de História e Geografia para conferir declarações de renomadas personalidades do meio acadêmico paulistano. Discursaram na ocasião, entre outros, Alfredo Bosi, Celso Antônio Bandeira de Mello, Gilberto Bercovitch, Heloísa Fernandes, Laura de Mello e Souza, Lisete Arelaro, Marilena Chauí, Ricardo Musse e Vladimir Safatle.

Críticas ao voto nulo

O tom do ato foi de crítica à candidatura do presidenciável de direita, o tucano José Serra. O que não impediu os oradores de centrarem fogo em uma outra opção eleitoral, aparentemente expressiva entre a comunidade uspiana: o voto nulo. Foi o que fizeram acadêmicos como a professora Lisete Arelaro. Referindo-se a cartazes em defesa da anulação do voto, que desde há alguns dias disputam o prédio da FFLCH com outros, favoráveis a Dilma, a educadora disparou: “Só votamos nulo na ditadura militar porque não tínhamos alternativa. Convido os colegas que fizeram esses cartazes a refletirem melhor e votarem na Dilma, mesmo que a considerem apenas um mal menor”.

Manifestando-se em tom semelhante, a professora Heloísa Fernandes, filha do sociólogo Florestan Fernandes, leu carta em que afirma ter apoiado, no primeiro turno, o candidato Plínio Sampaio. “Mas agora, no segundo turno, discordo que não haja diferenças entre os dois candidatos e nem acho que eles sejam farinha do mesmo saco. Ao contrário, penso que Dilma e Serra representam dois projetos de governo, dois blocos de classes, duas concepções de mundo e, mais ainda, dois mundos de sentimentos.”

Dois projetos, duas concepções

A distinção entre os “dois projetos” e as “duas concepções de mundo” referidos por Heloísa Fernandes foi esmiuçada pelo jurista Gilberto Bercovitch. Para ele, há de um lado as privatizações, o desmonte do Estado e da educação pública. “O futuro que desejamos não é esse. Não podemos ceder ao obscurantismo que está sendo ressuscitado com Serra. Vamos mandá-los para a lata de lixo da história, que é o lugar deles”, convocou, sob aplausos.

Também Alfredo Bosi buscou tecer nítida demarcação entre os representantes “do retrocesso, de uma política econômica centrada só no capital”, de um lado, e “um projeto que abarca o desenvolvimento e respeita o trabalho e a natureza”, de outro. Para Bosi, esse último é o projeto de Dilma Rousseff, cuja candidatura estaria “penetrada de um sentido social, forte e dinâmico, que começou a ganhar consistência nos últimos anos do governo Lula, levando a uma entrada maciça de pessoas na classe média”. Bosi citou a diminuição da mortalidade infantil e do desemprego, além da elevação do nível da escolaridade básica e do índice de desenvolvimento humano como conquistas que orientam seu voto na candidata Dilma.

Filósofos em apoio a Dilma

Andréa Loparic, professora do Departamento de Filosofia da USP, leu trechos do manifesto dos filósofos em apoio a Dilma Rousseff. O texto é subscrito por 846 nomes, encimados por professores como João Quartim de Moraes, Marilena Chauí, Oswaldo Porchat, Scarlett Marton e Vladimir Safatle, dentre outros.

Em um de seus trechos, o manifesto dos filósofos afirma: “A história da democracia, desde seus primeiros momentos na pólis ateniense, é a história da progressiva incorporação à comunidade política dos que outrora se viam destituídos de voz (...). Que tal incorporação se mostre efetiva pressupõe que os cidadãos disponham das condições materiais básicas para seu reconhecimento como tais. (...) Os programas de transferência de renda implementados pelo governo (...) fortaleceram nossa democracia ao criar bases concretas para a cidadania de milhões de brasileiros. Se atentarmos ao seu formato institucional, veremos que eles proporcionam condições para a progressiva autonomia de seus beneficiários, ao invés de prendê-los em um círculo de dependência. Que mulheres e homens beneficiados por tais programas confiram seus votos às forças que lutaram por implementá-los não deve surpreender ninguém – trata-se, afinal, da lógica mesma da governança democrática.”

Disputa acirrada

Em sua intervenção no ato, a filósofa Marilena Chaui denunciou a intento da candidatura Serra de relacionar o PT e Dilma a atos de violência. Segundo Marilena, a articulação seria no sentido de simular baderna durante um comício de Serra. As cenas seriam usadas sem que a campanha petista tivesse tempo de responder. "Dois homens diziam: 'dia 29, nós vamos acertar tudo, vamos trazer o pessoal vestidos com camisetas do PT, carregando bandeiras do PT e vão atacar pra tirar sangue, no comício do Serra", reafirmou a filósofa, em entrevista à Rede Brasil Atual. "É preciso alertar a sociedade brasileira toda, alertar São Paulo e alertar os petistas", afirmou Marilena. A ação estaria em planejamento em um bar de São Paulo, no final de semana.

Interagindo com preocupações desse tipo manifestadas durante o ato, a filósofa Andréa Loparic alertou: “Não temos de nos surpreender com a violência que vem sendo praticada por eles. Isso é uma guerra, uma guerra em defesa do futuro do Brasil”.

Ao longo do ato, além dos intelectuais já citados fizeram uso da palavra o senador Eduardo Suplicy e o ex-prefeito de São Carlos, Newton Lima Neto. A professora Laura de Mello e Souza leu mensagem do pai, o sociólogo e escritor Antônio Cândido, para quem “votar em Dilma Rousseff é assegurar a continuidade e o futuro”. Também foram lidas declarações de voto do professor de Literatura Brasileira João Adolfo Hansen e do jurista Dalmo Dallari.

Fonte: www.grabois.org.br

ÊÊÊÊ, tucanada 'sem futuro'. Eles queriam mudar o nome da PETROBRAS para PETROBRAX e depois vender tudo

Ontem, no debate da TV Record, José Serra tentou uma vez mais esquivar-se do tenebroso período FHC. Nem a mais simples das histórias envolvendo o governo tucano o candidato tem a coragem de assumir. E, se ele nega, cabe ao Brasil relembrar a fraca memória do Serra.
Aqui está a mostra do que seria mais um crime contra o patrimônio do povo brasileiro.
Se acaso tivesse sido consumada a troca da logomarca da empresa, seria mais uma daquelas ações típicas dos tucanos para o 'BEM' do Brasil, na opinião deles.
O passo seguinte seria a venda.
Mas o Brasil não deixou e segurou a mão pesada e privativista deles, negando-lhes o direito de permanecerem à frente do poder central da República.
Essa atitude fez da PETROBRAS uma das maiores empresas do mundo e nada mais nada menos que a descobridora do pré-sal, orgulho de todos os brasileiros.
Veja aqui a prova do crime que consegui com o meu amigo Luiz Azenha, do espetacular Blog: http://wwww.viomundo.com.br

Clique na imagem para ampliar:

O Brasil deve estar alerta. Direita deve agir para criar clima de 'terror, terror'. Chaui alerta para provocações



Serra é a união da nova direita brasileira

Reproduzo matéria de Suzana Vier, publicada na Rede Brasil Atual:

São Paulo - A filósofa Marilena Chaui denunciou nesta segunda-feira (25) uma possível articulação para tentar relacionar o PT e a candidatura de Dilma Rousseff a atos de violência. Ela afirmou, diante de um público de quase duas mil pessoas, que soube de uma possível ação violenta que seria montada para incriminar o PT durante comício do candidato José Serra (PSDB) no dia 29.

Segundo Chaui, a promessa dos participantes da suposta armação seria de "tirar sangue" durante o comício. As cenas seriam usadas sem que a campanha petista tivesse tempo de responder. "Dois homens diziam: 'dia 29, nós vamos trazer o pessoal com camisetas do PT e bandeiras do PT pra tirar sangue, no comício do Serra", reafirmou a filósofa em entrevista à Rede Brasil Atual. "É preciso alertar a sociedade brasileira toda, alertar São Paulo e alertar os petistas", pediu Marilena. A ação estaria em planejamento em um bar de São Paulo, no final de semana.

Para exemplificar o caso, ela disse que se trata de um novo caso Abílio Diniz. Em 1989, o sequestro do empresário foi usado para culpar o PT e o desmentido só ocorreu após a eleição de Fernando Collor de Melo.

A denúncia foi feita durante encontro de intelectuais e pessoas ligadas à cultura, estudantes e professores universitários e políticos, na USP, em São Paulo. "Não vai dar tempo de explicar que não fomos nós. Por isso, espalhem pelas redes sociais", divulguem.

Ela também criticou a campanha de Serra nestas eleições. "A campanha tucana passou do deboche para a obscenidade e recrutou o que há de mais reacionário, tanto na direita quanto nas religiões."

Em entrevista ao blog Escrevinhador, de Rodrigo Vianna, o jornalista jornalista Tony Chastinet já alertava sobre possíveis técnicas utilizadas para associar o PT à violência.

Mais panfletos

Também nesta segunda-feira o PT registrou um Boletim de Ocorrência (BO) no 45º DP contra um grupo que distribuía material irregular contra Dilma Rousseff na Praça Luis Neri, no bairro de Perus, em São Paulo. Aproximadamente 30 pessoas foram identificadas com o uniforme "Turma do Bem"; cinco foram presos em flagrante

25 de outubro de 2010

Votações no prêmio Congresso em Foco encerram no dia 31 de outubro; Flávio Dino concorre em três categorias


Encerra no dia 31 de outubro, domingo, o período em que a população pode votar no prêmio Congresso em Foco, realizado por um website de Brasília que cobre as atividades do Congresso Nacional. O deputado federal Flávio Dino (PCdoB - MA) concorre em três categorias: deputados que melhor representam a população, defesa da democracia e combate à corrupção.

Os indicados ao Prêmio Congresso em Foco deste ano foram escolhidos entre os dias 1 e 2 de de setembro por jornalistas que cobrem diariamente a Câmara e o Senado. São 25 deputados federais e dez senadores. Após a indicação dos jornalistas, tem início a votação pelos internautas. A premiação será no dia 22 de novembro, em Brasília.

É a quarta vez, em quatro anos na Câmara, que Flávio Dino é indicado ao prêmio. Em 2007, ele foi o único deputado no primeiro ano de mandato a ficar entre os vinte melhores do Congresso. No ano seguinte, ele já foi considerado o quarto melhor deputado brasileiro, dos 513 parlamentares existentes hoje na Câmara, e foi votado pelos internautas como o terceiro deputado brasileiro que mais combateu a corrupção. Em 2009, ele seria o vencedor, na mesma categoria.

Tetracampeonato

Sobre as sucessivas premiações, Flávio Dino disse que é um reconhecimento do seu trabalho e uma maneira de prestar contas do seu mandato à população. "É mais do que um tetracampeonato, já que as vitórias vieram em várias categorias de premiação, mediante votações feitas por diferentes públicos: jornalistas, sindicalistas, empresários e parlamentares", disse Flávio Dino.

O prêmio Congresso em Foco, organizado pelo site de mesmo nome, está na sua quinta edição e tem o objetivo de premiar os parlamentares que mais se destacaram positivamente no exercício de suas funções legislativas. Os internautas podem votar através do endereço http://www.premiocongressoemfoco.com.br/Voto.aspx

Fonte: Assessoria de Imprensa

24 de outubro de 2010

Walter Sorrentino 'não deixa pedra sobre pedra' e detona: "A campanha Dilma unifica o PCdoB em todo o País, até as pedras sabem disso, que dirá Lula."


O Estadão hoje, em coluna de opinião assinada por João Domingos e outros, alega que a “irritação de Lula” sobra até para os aliados. Supostamente, Lula “acha que Flávio Dino está se queixando à toa… Tem denunciado fraude na vitória de sua opositora ao governo do Maranhão, o que pode atrapalhar o trabalho de união em torno de Dilma no Estado”.

Se não for especulação, é estranho. Na verdade, incongruente.
Não foi Flávio Dino ou o PCdoB que moveram processo para apurar fraude na apuração, vencida por Roseana Sarney por 0,08 % dos votos evitando o segundo turno. Foi o Ministério Público. O PCdoB e Flávio aguardam a apuração.

Estranha a questão de união em torno de Dilma no Estado. Flávio liderou a oposição, dentro do campo Dilma no primeiro turno. Dos 50% do eleitorado, apoiadores de Flávio e do outro candidato, mais da metade apoiaram Flávio e Dilma, defendida pelo candidato.

No segundo turno, a campanha Dilma unifica o PCdoB em todo o país. Aliás isso é público no pronunciamento do PCdoB maranhense, até as pedras sabem disso, que dirá Lula. Se há preocupação com o volume de votos da campanha no Maranhão, melhor seria procurar razões no comando estadual da campanha, monopolizado pelo grupo Sarney que não representa, em absoluto, o sentimento das parcelas mais avançadas e dos movimentos sociais. Aliás, nem o PT maranhense está unido nessa matéria.

Agora, há um fato ruidoso nisso tudo: no primeiro turno foi desconsiderado, liminarmente, entendimento consagrado no Conselho Político da campanha Dilma, que oficialmente deliberou respeito aos diversos palanques estaduais que apoiariam a campanha nacional. Não foi o que ocorreu no Maranhão. Flávio Dino não recebeu nenhuma sinalização, nem mesmo após o término do segundo turno. PCdoB e PSB no Estado fizeram sua parte. O PCdoB segue isso no segundo turno. Quem não respeitou compromissos foram outros.

O Maranhão não precisa dessa “união” supostamente pregada por Lula. Estamos com Dilma, certamente. Há um governo eleito e há uma oposição, como deve ser.

O Maranhão precisa de respeito, só isso.

23 de outubro de 2010

CONVITE: 'Programa Educação é Notícia', hoje, na Rádio Educadora AM 560 KHZ das 11 ao meio dia.

Hoje tem programa na Rádio Educadora AM, gente.
Os educadores do maranhão estão com indicativo de greve apontado para o início de 2011.
Eles querem a aprovação pelo governo do estado do novo estatuto do educador.
O programa tem participação do ouvinte e muita informação.
Te espero lá.
Começa às 11 e termina ao meio dia.

22 de outubro de 2010

Luís Nassif e a a psicologia de massa do fascismo à brasileira


Jornalista Luís Nassif: ódio é a marca da nova direita brasileira

Há tempos alerto para a campanha de ódio que o pacto mídia-FHC estava plantando no jogo político brasileiro. O momento é dos mais delicados. O país passa por profundos processos de transformação, com a entrada de milhões de pessoas no mercado de consumo e político. Pela primeira vez na história, abre-se espaço para um mercado de consumo de massa capaz de lançar o país na primeira divisão da economia mundial.

Esses movimentos foram essenciais na construção de outras nações, mas sempre vieram acompanhados de tensões, conflitos, entre os que emergem buscando espaço, e os já estabelecidos impondo resistências.

Em outros países, essas tensões descambaram para guerras, como a da Secessão norte-americana, ou para movimentos totalitários, como o fascismo nos anos 20 na Europa.

Nos últimos anos, parecia que Lula completaria a travessia para o novo modelo reduzindo substancialmente os atritos. O reconhecimento do exterior ajudou a aplainar o pesado preconceito da classe média acuada. A estratégia política de juntar todas as peças – de multinacionais a pequenas empresas, do agronegócio à agricultura familiar, do mercado aos movimentos sociais – permitiu uma síntese admirável do novo país. O terrorismo midiático, levantando fantasmas com o MST, Bolívia, Venezuela, Cuba e outras bobagens, não passava de jogo de cena, no qual nem a própria mídia acreditava.

À falta de um projeto de país, esgotado o modelo no qual se escudou, FHC – seguido por seu discípulo José Serra – passou a apostar tudo na radicalização. Ajudou a referendar a idéia da república sindicalista, a espalhar rumores sobre tendências totalitárias de Lula, mesmo sabendo que tais temores eram infundados.

Em ambientes mais sérios do que nas entrevistas políticas aos jornais, o sociólogo FHC não endossava as afirmações irresponsáveis do político FHC.

Mas as sementes do ódio frutificaram. E agora explodem em sua plenitude, misturando a exploração dos preconceitos da classe média com o da religiosidade das classes mais simples de um candidato que, por muitos anos, parecia ser a encarnação do Brasil moderno e hoje representa o oportunismo mais deslavado da moderna história política brasileira.

O fascismo à brasileira

Se alguém pretende desenvolver alguma tese nova sobre a psicologia de massa do fascismo, no Brasil, aproveite. Nessas eleições, o clima que envolve algumas camadas da sociedade é o laboratório mais completo – e com acompanhamento online - de como é possível inculcar ódio, superstição e intolerância em classes sociais das mais variadas no Brasil urbano – supostamente o lado moderno da sociedade.

Dia desses, um pai relatou um caso de bullying com a filha, quando se declarou a favor de Dilma.

Em São Paulo esse clima está generalizado. Nos contatos com familiares, nesses feriados, recebi relatos de um sentimento difuso de ódio no ar como há muito tempo não se via, provavelmente nem na campanha do impeachment de Collor, talvez apenas em 1964, período em que amigos dedavam amigos e os piores sentimentos vinham à tona, da pequena cidade do interior à grande metrópole.

Agora, esse ódio não está poupando nenhum setor. É figadal, ostensivo, irracional, não se curvando a argumentos ou ponderações.

Minhas filhas menores freqüentam uma escola liberal, que estimula a tolerância em todos os níveis. Os relatos que me trazem é que qualquer opinião que não seja contra Dilma provoca o isolamento da colega. Outro pai de aluna do Vera Cruz me diz que as coleguinhas afirmam no recreio que Dilma é assassina.

Na empresa em que trabalha outra filha, toda a média gerência é furiosamente anti-Dilma. No primeiro turno, ela anunciou seu voto em Marina e foi cercada por colegas indignados. O mesmo ocorre no ambiente de trabalho de outra filha.

No domingo fui visitar uma tia na Vila Maria. O mesmo sentimento dos antidilmistas, virulento, agressivo, intimidador. Um amigo banqueiro ficou surpreso ao entrar no seu banco, na segunda, é captar as reações dos funcionários ao debate da Band.

A construção do ódio

Na base do ódio um trabalho da mídia de massa de martelar diariamente a história das duas caras, a guerrilha, o terrorismo, a ameaça de que sem Lula ela entregaria o país ao demonizado José Dirceu. Depois, o episódio da Erenice abrindo as comportas do que foi plantado.

Os desdobramentos são imprevisíveis e transcendem o processo eleitoral. A irresponsabilidade da mídia de massa e de um candidato de uma ambição sem limites conseguiu introjetar na sociedade brasileira uma intolerância que, em outros tempos, se resolvia com golpes de Estado. Agora, não, mas será um veneno violento que afetará o jogo político posterior, seja quem for o vencedor.

Que país sairá dessas eleições?, até desanima imaginar.

Mas demonstra cabalmente as dificuldades embutidas em qualquer espasmo de modernização brasileira, explica as raízes do subdesenvolvimento, a resistência história a qualquer processo de modernização. Não é a herança portuguesa. É a escassez de homens públicos de fôlego com responsabilidade institucional sobre o país. É a comprovação de porque o país sempre ficou para trás, abortou seus melhores momentos de modernização, apequenou-se nos momentos cruciais, cedendo a um vale-tudo sem projeto, uma guerra sem honra.

Seria interessante que o maior especialista da era da Internet, o espanhol Manuel Castells, em uma próxima vinda ao Brasil, convidado por seu amigo Fernando Henrique Cardoso, possa escapar da programação do Instituto FHC para entender um pouco melhor a irresponsabilidade, o egocentrismo absurdo que levou um ex-presidente a abrir mão da biografia por um último espasmo de poder. Sem se importar com o preço que o país poderia pagar. (Fonte: Blog do Nassif)

Fonte: Blog do Luís Nassif

21 de outubro de 2010

EXTRA!!!!!EXTRA!!!!!!! Charge de Maringonni vai no 'X' da questão

Essa eu não poderia deixar de 'postar'.
Tá lá no Blog do Miro.
O Trabalho é do Maringonni.
Uma preciosidade da charge.
divirta-se.



Fonte: Blog do Miro

"Deixa a Dilma me levar, Dilma leva eu.", cantam artistas e intelectuais do Brasil em apoio a Dilma


Chico Buarque afirma que Dilma é uma mulher de fibra, com senso de justiça social

O Teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro, não escapou de seu destino.
Fundado em 1966, foi palco da resistência à ditadura militar
protagonizada pela classe artística e intelectual brasileira. No 18 de
outubro de 2010, os personagens voltaram ao palco para mais um ato:
resistir ao retrocesso dos tucanos. Com Dilma Rousseff, mestres da
literatura e da música, artistas e filósofos defenderam a dignidade
reconquistada, a reconstrução do Estado e a soberania nacional.

“É hora de unir nossas forças no segundo turno para garantir as conquistas
e continuarmos na direção de uma sociedade justa, solidária e
soberana”, diz o manifesto de artistas e intelectuais pela eleição de
Dilma.

Estava lá o arquiteto Oscar Niemeyer, com a sabedoria de quem tem um século de
vida. Num canto do palco, Ziraldo. Ao seu lado, Hugo Carvana. Chico
Buarque dominou a timidez para declarar seu apoio a Dilma, “mulher de
fibra, com senso de justiça social”. Para o músico, o governo Lula não
corteja os poderosos de sempre.

“Fala de igual para igual com todos. Nem fino com Washington, nem grosso com
a Bolívia. Por isso, é respeitado no mundo inteiro como nunca antes na
história desse país”, afirmou o criador de "A banda", arrancando risos da plateia.

Deixa a Dilma me levar

Alcione, Margareth Menezes e Lecy Brandão foram as primeiras a chegar. Zeca
Pagodinho não foi, mas mandou dizer que está com Dilma. Beth Carvalho
empolgou e cantou: “Deixa a Dilma me levar, Dilma leva eu.”

O ex-ministro Marcio Thomaz Bastos levou um manifesto dos advogados.
Ganhou um beijo de Dilma. As ausências da economista Maria da Conceição
Tavares, do filósofo Frei Betto e da psicanalista Maria Rita Kehl foram
sentidas, mas suas assinaturas estavam no manifesto.

Duro, o escritor Fernando Morais bateu nas privatizações feitas pelo PSDB.
“Estou com a Dilma porque sou brasileiro e quero o Brasil nas mãos dos
brasileiros. Eu sou contra a privatização canibal que esses tucanos
fizeram e sei o mal que o José Serra pode fazer para o Brasil.”

19 de outubro de 2010

Professores e Pesquisadores do Brasil inteiro manifestam apoio a Dilma


MANIFESTO DE PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS EM DEFESA DA EDUCAÇÃO
PÚBLICA

*15/10/2010*
(atualizado às 20h14, em 15/10/2010) *Manifesto em Defesa da Educação
Pública* Nós, professores universitários, consideramos um retrocesso as
propostas e os métodos políticos da candidatur a Serra. Seu histórico como
governante preocupa todos que acreditam que os rumos do sistema educacional
e a defesa de princípios democráticos são vitais ao futuro do país. Sob seu
governo, a Universidade de São Paulo foi invadida por policiais armados com
metralhadoras, atirando bombas de gás lacrimogêneo. Em seu primeiro ato como
governador, assinou decretos que revogavam a relativa autonomia financeira e
administrativa das Universidades estaduais paulistas. Os salários dos
professores da USP, Unicamp e Unesp vêm sendo sistematicamente achatados,
mesmo com os recordes na arrecadação de impostos. Numa inversão da situação
vigente nas últimas décadas, eles se encontram hoje em patamares menores que
a remuneração dos docentes das Universidades federais. Esse “choque de
gestão” é ainda mais drástico no âmbito do ensino fundamental e médio,
convergindo para uma política de sucateamento da Re de Pública. São Paulo foi
o único Estado que não apresentou, desde 2007, crescimento no exame do Ideb,
índice que avalia o aprendizado desses dois níveis educacionais. Os salários
da Rede Pública no Estado mais rico da federação são menores que os de
Tocantins, Roraima, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Espírito Santo, Acre, entre
outros. Somada aos contratos precários e às condições aviltantes de
trabalho, a baixa remuneração tende a expelir desse sistema educacional os
professores qualificados e a desestimular quem decide se manter na Rede
Pública. Diante das reivindicações por melhores condições de trabalho, Serra
costuma afirmar que não passam de manifestação de interesses corporativos e
sindicais, de “tró-ló-ló” de grupos políticos que querem desestabilizá-lo.
Assim, além de evitar a discussão acerca do conteúdo das reivindicações,
desqualifica movimentos organizados da socied ade civil, quando não os recebe
com cassetetes. Serra escolheu como Secretário da Educação Paulo Renato,
ministro nos oito anos do governo FHC. Neste período, nenhuma Escola Técnica
Federal foi construída e as existentes arruinaram-se. As universidades
públicas federais foram sucateadas ao ponto em que faltou dinheiro até mesmo
para pagar as contas de luz, como foi o caso na UFRJ. A proibição de novas
contratações gerou um déficit de 7.000 professores. Em contrapartida, sua
gestão incentivou a proliferação sem critérios de universidades privadas. Já
na Secretaria da Educação de São Paulo, Paulo Renato transferiu, via
terceirização, para grandes empresas educacionais privadas a organização dos
currículos escolares, o fornecimento de material didático e a formação
continuada de professores. O Brasil não pode correr o risco de ter seu
sistema educacional dirigido por interesses econômico s privados. No comando
do governo federal, o PSDB inaugurou o cargo de “engavetador geral da
república”. Em São Paulo, nos últimos anos, barrou mais de setenta pedidos
de CPIs, abafando casos notórios de corrupção que estão sendo julgados em
tribunais internacionais. Sua campanha promove uma deseducação política ao
imitar práticas da extrema direita norte-americana em que uma orquestração
de boatos dissemina dogmas religiosos. A celebração bonapartista de sua
pessoa, em detrimento das forças políticas, só encontra paralelo na campanha
de 1989, de Fernando Collor.

E seguem mais de 400 assinaturas de professores e pesquisadores de universidades do País inteiro.

EXTRA!!!!! EXTRA!!!!!! Até Xuxa dá 'sabão' em Serra


Olha essa que encontrei, blogando com o jornalista Oswaldo Bertolino.
Tá tudo no you tube. Bata pesquisar. É pesado.
Serra esculhambando as mulheres e a rainha dos baixinhos esculacando 'Dom Vampirom'. Veja:

http://www.outroladodanoticia.com.br/10/2010/xuxa-escracha-fundamentalismo-de-serra/

17 de outubro de 2010

Mesmo contrariado, PCdoB no Maranhão avalia que obteve vitória política e reafirma apoio total a Dilma



A direção estadual do PCdoB/MA divulgou ontem uma nota com uma primeira avaliação das eleições para o governo do Maranhão em que considera a candidatura de Flávio Dino vitoriosa politicamente “ao apresentar à população uma alternativa democrático-popular e obter a segunda colocação com o voto de 859.402 maranhenses(29,49%)”.

O partido diz que a coligação Muda Maranhão, formada ainda pelo PSB, PPS, militância do PT e dos movimentos sociais, “enfrentou um forte esquema político e econômico montado para tentar calar e aniquilar a oposição”. Diz também que houve uma “demonstração explícita de abuso de poder econômico e político”.

Os comunistas lembram o que qualificam de violência cometida contra o PT maranhense, que decidiu em encontro apoiar Flávio Dino mas teve a posição anulada pelo Diretório Nacional após forte pressão do senador José Sarney e da governadora Roseana Sarney

“Superando todas as adversidades a candidatura Flávio Dino elevou a bandeira da renovação e da mudança, conquistando adesões do povo em todo o Maranhão, mobilizando os movimentos sociais e construindo uma alternativa real democrática e popular ao poder oligárquico da família Sarney”, assinala ainda a nota.

Dilma – Mesmo contrariados com o apoio ostensivo de Lula e Dilma à candidata Roseana Sarney, os comunistas reiteram o apoio à presidenciável. “O PCdoB reafirma sua posição de apoio à eleição de Dilma Roussef, para que o Brasil continue no caminho certo do desenvolvimento com justiça social e soberania. Assim, conclama a militância a manter-se em campanha com o mesmo empenho e dedicação com que fez o primeiro turno.”

Partido Comunista do Brasil
Comitê Estadual Maranhão
Nota oficial

A direção do Partido Comunista do Brasil/MA divulga a presente nota com sua avaliação inicial das eleições 2010 para o Governo do Maranhão.

· O lançamento do nome do deputado federal Flávio Dino ao governo do Maranhão revelou-se uma decisão correta e necessária, colhendo um vitorioso resultado político ao apresentar à população uma alternativa democrático-popular e obter a segunda colocação com o voto de 859.402 maranhenses(29,49%);
· A Coligação Muda Maranhão(PCdoB,PSB, PPS, mais militantes do PT e movimentos sociais) enfrentou um forte esquema político e econômico montado para tentar calar e aniquilar a oposição. Sob a pressão do Palácio dos Leões juntaram-se 16 partidos políticos, a quase totalidade dos prefeitos, a imensa maioria dos deputados estaduais e federais, uma riquíssima estrutura econômica, numa demonstração explícita de abuso de poder econômico e político. Mesmo assim, a eleição em 1º turno de Roseana Sarney só se deu por uma maioria de apenas 0,08% dos votos e ainda assim num processo de votação e apuração sob graves suspeições, conforme relatório técnico produzido por especialistas renomados;
· Merece registro e repúdio a violência praticada contra o PT maranhense que em encontro democrático decidiu apoiar a coligação com o PCdoB, PSB e movimentos sociais, mas teve este resultado anulado por decisão da maioria dos membros da direção nacional para atender os caprichos e aquiescer às chantagens do Presidente do Senado, José Sarney, e da governadora Roseana Sarney;
· Superando todas as adversidades a candidatura Flávio Dino elevou a bandeira da renovação e da mudança, conquistando adesões do povo em todo o Maranhão, mobilizando os movimentos sociais e construindo uma alternativa real democrática e popular ao poder oligárquico da família Sarney.
· PCdoB, PPS, PSB, militância do PT e dos movimentos sociais escreveram uma bela página na história política maranhense que terá repercussões fundamentais nas lutas que virão. Para isso é necessário manter acesa a chama da renovação e da mudança, mobilizando o povo em defesa de um Maranhão de Todos Nós, fiscalizando o governo e exercendo com vigor o democrático direito de ser oposição;
· O PCdoB reafirma sua posição de apoio à eleição de Dilma Roussef, para que o Brasil continue no caminho certo do desenvolvimento com justiça social e soberania. Assim, conclama a militância a manter-se em campanha com o mesmo empenho e dedicação com que fez o primeiro turno.
· O PCdoB conclama, por fim, os partidos de esquerda, os movimentos sociais, as forças progressistas da sociedade, os homens e mulheres de bem a continuarem apostando e lutando por mudanças reais que elevem o Maranhão ao lugar de destaque que seu povo merece e suas condições naturais e econômicas permitem.
· À luta, com o vigor renovado.

São Luís, em 07 de outubro de 2010

Comissão Política Estadual

16 de outubro de 2010

O time de FHC será o mesmo time de Serra?


Reconhecido por muitos, o governo tucano de Fernando Henrique Cardoso levou a pecha de ser marcado por grandes desastres nacionais, com prejuízos insanáveis ao conjunto a nação. A aventura tucana rendeu ao País, entre tantas coisas ruins, a perda de suas principais empresas estratégicas, e o que é pior, sua soberania nacional, que servia de ‘brinde’ aos compradores da Nação.

Sem qualquer sombra de dúvida, o país vivera ali um dos momentos mais tristes e difíceis de sua história recente. E olha que por essas terras latino-americanas, muitas lágrimas já rolaram. Naquele período estava estabelecido um projeto muito claro de poder, que mexia estruturalmente com aspectos essenciais da Constituição da República de 1988, sobretudo no que se refere ao papel do estado, ao pacto federativo, aos direitos sociais, aos mecanismos de sucessão do poder, como a reeleição, aprovada em 1997, e muitos outros.

Os nomes aqui apresentados são de homens públicos. Uns mais, outros menos conhecidos na sociedade. Porém, todos, políticos, burocratas, banqueiros, empresários, operaram o projeto neoliberal de FHC entre 1994 e 2002. Eles eram responsáveis por estabelecer pontes entre o governo e o mercado financeiro internacional, o grande empresariado brasileiro, entreguista e antinacional, e as oligarquias regionalizadas mais conservadoras espalhadas pelo país.

O fato, gente, é que todas essas figurinhas podem voltar à tona, agindo livremente dentro do poder central da República. Isso, é claro, caso o ‘tucanato’ retome o poder das mãos nacionalistas, democráticas e populares de Luís Inácio Lula da Silva cujo projeto é expresso por meio da candidatura Dilma à Presidência do Brasil.

Mas, sem mais delongas, eis alguns nomes.

Existem mais, muitos mais.


Jorge Bornhausen – Empresário e ex-senador pelo estado de Santa Catarina. Ex-Presidente do DEM. Foi Chefe da Casa Civil no Governo Collor. Integrante da Arena na ditadura militar (64-84).

Daniel Dantas – Banqueiro, dono do Banco Oportunity. Doutor em Economia pelo MIT. Investigado pelo Delegado da Polícia Federal, Protógenes Queiroz, foi preso, mas solto por meio de liminar concedida pelo Ministro do Supremo Gilmar Mendes. Elo principal entre o Governo FHC e o mercado financeiro mundial.

Eduardo Jorge – Vice-Presidente do PSDB nacional. Trabalha com FHC. Foi Secretario Geral da Presidência da República nos governos FHC. Homem do escândalo da ‘pasta rosa’. Ex-Consultor do USAID.


Tasso Jereissaty – Empresário e ex-senador pelo estado do Ceará. Quadro destacado do PSDB presidiu o Partido entre 91 e 93. Principal articulador da aliança entre PSDB e o então PFL, (hoje DEM), na eleição que garantiu a eleição e reeleição de FHC. Candidatou-se e não se reelegeu em 2010.

Marco Maciel – Político pernambucano. Foi Vice-Presidente nos dois mandatos de FHC. Integrante da ARENA foi eleito Secretário Geral do partido em 1973. Ex-Governador biônico de Pernambuco. Foi do PDS. Organizou o PFL. Candidato ao Senado perdeu a eleição disputando pelo DEM.

Paulo Renato Souza – Ex-Ministro da educação nos Governos de FHC. Trabalhou na CEPAL e na OIT. Ex-Vice-presidente do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). Conhecido pela postura de tecnocrata e intransigente.

Elena Landau – Consultora do Banco norte-americano Bear Stearns, especialista em assuntos de privatizações no Brasil e na América Latina. Casada com o banqueiro Pérsio Arida.

Benjamim Steinbruch – Espécie de arquétipo de empresário nos tempos de FHC. Ganhou muito dinheiro com as privatizações no governo FHC. Exímio mercador de ilusões no mundo financista.

David Zylberstajn – Engenheiro paulista, genro de FHC. Ex-Diretor da Agencia Nacional de Petróleo (ANP) no governo do sogro. Na ANP, só não privatizou a PETROBRAS porque Lula ganhou a eleição e impediu mais esse crime contra o País. Em recentes declarações sobre o pré-sal Zylberstajn aponta com convicção para o caminho da quebra do monopólio estatal brasileiro no setor petrolífero.

Andrea Calabi – Ligado a Serra. Foi Secretário Executivo do Ministério do Planejamento no governo FHC. Atuou como consultor de grandes empresas em são Paulo. Coordenou o Programa de governo de FHC em 1998.

E outros.

EXTRA!!! EXTRA!!!! Dilma faz as pazes com religiosos e lança carta compromisso

Chega dessa lenga, lenga de questão religiosa interferir sobre o futuro glorioso do Brasil. Isso chega a ser um absurdo para a vida democrática que temos.
É como se o principal problema que o país enfrenta fosse definir se as mulheres devem ou não fazer aborto ou se os gays devem ou não se casar nas igrejas.
Parece brincadeira mas é verdade. A eleição para a presidência da República no Brasil descambou para o inimaginável. Nem em países como EUA, Alemanha, Inglaterra ou outros, ditos desenvolvidos, civilizados, essa coisa aconteceu assim. Lá, a questão já está encaminhada, dentro da civilidade.
Mas, é uma questão de tempo a descriminalização do aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo aqui no Brasil.

Mas,... vamos à Carta Compromisso.

Clique na imagem para ampliar.

14 de outubro de 2010

O PSDB é um clássico exemplo de partido de direita














Foto: Fundação do PSDB em 1988

O PSDB é o Partido da Social Democracia Brasileira. Do seu surgimento até hoje o tempo fez o PSDB assumir de vez sua posição aglutinadora dos ideais conservadores no Brasil. Ao PSDB coube, e cabe ainda mais que nunca, dar unidade e ‘liga’ ao setor financista neoliberal brasileiro.

Estudos sobre a história dos partidos políticos no Brasil apontam que o PSDB teria crescido dentro de um mundo marcado por duas mentiras: 1. De que era guiado por um pensamento de esquerda ‘modernizadora’ ; e 2. De que a aliança com o DEM é uma decisão pragmática, sem qualquer relação com o pensamento social-democrata do partido tucano.

Nem uma coisa nem outra. O cientista político da USP, Celso Roma, é mais direto e dispara "o PSDB já nasceu com um programa de direita, neoliberal.” Quando aquele punhado de cardeais políticos, com bom trânsito no congresso nacional, mas sem espaço no governo Sarney, reuniu-se e fundou o PSDB, nascia ali um partido cujo objetivo era expressar um tipo de pensamento, de direita, dito ‘novo’, neoliberal. Representavam, assim, os mesmos ideais, agora repaginados, do velho liberalismo mais conservador, expresso no pensamento conservador presente nas grandes rodas financistas do mundo.

O manifesto de fundação do PSDB em 1988, falava abertamente no rompimento do caráter nacionalista do estado brasileiro, rejeitava também a intervenção estatal na economia, defendia a quebra das relações trabalhistas, e outras posições radicais. O detalhe aqui é a forte rejeição dos tucanos quanto ao papel do estado como fomentador principal do desenvolvimento. As denúncias da sanha privatista tucana não são poucas e estão aí na boca do povo.

Um dos papeis principais dos tucanos é combater a avançada política externa brasileira, expressa na forma de soberania, ação e união nacional. São quase 08 anos de ataques frontais às firmes intervenções que o Brasil fez em inúmeros episódios com repercussão internacional.

Isso sem falar aqui do ‘Bolsa Miséria’, como dizem os tucanos, ao se referirem àquele que é um dos maiores programas de distribuição de renda do mundo, e que atende mais de 12 milhões de famílias. Ou ainda a criminalização dos movimentos sociais, a precarização do papel social do estado com sua respectiva redução e privatização, e outras.

Olha, gente, é sério, para eles implementarem isso, basta eles voltarem. Para efeito eleitoral eles 'vendem até a mãe.' Passam por aí com mil e uma caras, beijam nossas crianças, abraçam nossos idosos, distribuem sorrisos largos, estão no meio do povo, mas não se enganem, estamos falando aqui do velho, conhecido e perigoso PSDB, o Partido da Social Democracia Brasileira.

13 de outubro de 2010

"Se nos calarmos, até as pedras gritarão!”,diz o povo evangélico declarando apoio a Dilma


Recebi esse material da redaçãodo Portal www.vermelho.org.br. Demonstrar a existência de amplo posicionamento favorável a Dilma no meio evangélico.
Isso mostra também que o povo brasileiro não pode abrir mão da defesa das conquistas adquiridas pelo Brasil na atualidade, sob a liderança de Lula.


Manifesto de Cristãos e cristãs evangélicos/as e católicos/as em favor da vida e da Vida em Abundância!

Somos homens e mulheres, ministros, ministras, agentes de pastoral, teólogos/as, padres, pastores e pastoras, intelectuais e militantes sociais, membros de diferentes Igrejas cristãs, movidos/as pela fidelidade à verdade, vimos a público declarar:
1. Nestes dias, circulam pela internet, pela imprensa e dentro de algumas de nossas igrejas, manifestações de líderes cristãos que, em nome da fé, pedem ao povo que não vote em Dilma Rousseff sob o pretexto de que ela seria favorável ao aborto, ao casamento gay e a outras medidas tidas como “contrárias à moral”.
A própria candidata negou a veracidade destas afirmações e, ao contrário, se reuniu com lideranças das Igrejas em um diálogo positivo e aberto. Apesar disso, estes boatos e mentiras continuam sendo espalhados. Diante destas posturas autoritárias e mentirosas, disfarçadas sob o uso da boa moral e da fé, nos sentimos obrigados a atualizar a palavra de Jesus, afirmando, agora, diante de todo o Brasil: “se nos calarmos, até as pedras gritarão!” (Lc 19, 40).
2. Não aceitamos que se use da fé para condenar alguma candidatura. Por isso, fazemos esta declaração como cristãos, ligando nossa fé à vida concreta, a partir de uma análise social e política da realidade e não apenas por motivos religiosos ou doutrinais. Em nome do nosso compromisso com o povo brasileiro, declaramos publicamente o nosso voto em Dilma Rousseff e as razões que nos levam a tomar esta atitude:
3. Consideramos que, para o projeto de um Brasil justo e igualitário, a eleição de Dilma para presidente da República representará um passo maior do que a eventualidade de uma vitória do Serra, que, segundo nossa análise, nos levaria a recuar em várias conquistas populares e efetivos ganhos sócio-culturais e econômicos que se destacam na melhoria de vida da população brasileira.
4. Consideramos que o direito à Vida seja a mais profunda e bela das manifestações das pessoas que acreditam em Deus, pois somos à sua Imagem e Semelhança. Portanto, defender a vida é oferecer condições de saúde, educação, moradia, terra, trabalho, lazer, cultura e dignidade para todas as pessoas, particularmente as que mais precisam. Por isso, um governo justo oferece sua opção preferencial às pessoas empobrecidas, injustiçadas, perseguidas e caluniadas, conforme a proclamação de Jesus na montanha (Cf. Mt 5, 1- 12).
5. Acreditamos que o projeto divino para este mundo foi anunciado através das palavras e ações de Jesus Cristo. Este projeto não se esgota em nenhum regime de governo e não se reduz apenas a uma melhor organização social e política da sociedade. Entretanto, quando oramos “venha o teu reino”, cremos que ele virá, não apenas de forma espiritualista e restrito aos corações, mas, principalmente na transformação das estruturas sociais e políticas deste mundo.
6. Sabemos que as grandes transformações da sociedade se darão principalmente através das conquistas sociais, políticas e ecológicas, feitas pelo povo organizado e não apenas pelo beneplácito de um governante mais aberto/a ou mais sensível ao povo. Temos críticas a alguns aspectos e algumas políticas do governo atual que Dilma promete continuar. Motivo do voto alternativo de muitos companheiros e companheiras Entretanto, por experiência, constatamos: não é a mesma coisa ter no governo uma pessoa que respeite os movimentos populares e dialogue com os segmentos mais pobres da sociedade, ou ter alguém que, diante de uma manifestação popular, mande a polícia reprimir. Neste sentido, tanto no governo federal, como nos estados, as gestões tucanas têm se caracterizado sempre pela arrogância do seu apego às políticas neoliberais e pela insensibilidade para com as grandes questões sociais do povo mais empobrecido.
7. Sabemos de pessoas que se dizem religiosas, e que cometem atrocidades contra crianças, por isso, ter um candidato religioso não é necessariamente parâmetro para se ter um governante justo, por isso, não nos interessa se tal candidato/a é religioso ou não. Como Jesus, cremos que o importante não é tanto dizer “Senhor, Senhor”, mas realizar a vontade de Deus, ou seja, o projeto divino. Esperamos que Dilma continue a feliz política externa do presidente Lula, principalmente no projeto da nossa fundamental integração com os países irmãos da América Latina e na solidariedade aos países africanos, com os quais o Brasil tem uma grande dívida moral e uma longa história em comum. A integração com os movimentos populares emergentes em vários países do continente nos levará a caminharmos para novos e decisivos passos de justiça, igualdade social e cuidado com a natureza, em todas as suas dimensões. Entendemos que um país com sustentabilidade e desenvolvimento humano – como Marina Silva defende – só pode ser construído resgatando já a enorme dívida social com o seu povo mais empobrecido. No momento atual, Dilma Rousseff representa este projeto que, mesmo com obstáculos, foi iniciado nos oito anos de mandato do presidente Lula. É isto que está em jogo neste segundo turno das eleições de 2010.
Com esta esperança e a decisão de lutarmos por isso, nos subscrevemos:

Dom Thomas Balduino, bispo emérito de Goiás velho, e presidente honorário da CPT nacional.
Dom Pedro Casaldáliga, bispo emérito da Prelazia de São Feliz do Araguaia-MT.
Dom Demetrio Valentini, bispo de Jales-SP e presidente da Cáritas nacional.
Dom Luiz Eccel - Bispo de Caçador-SC
Dom Antonio Possamai, bispo emérito da Rondônia.
Dom Sebastião Lima Duarte, bispo de Viana- Maranhão.
Dom Xavier Gilles, bispo emérito de Vina- Maranhão.
Padre Paulo Gabriel, agente de pastoral da Prelazia de São Feliz do Araguaia /MT
Jether Ramalho, Rio de Janeiro.
Marcelo Barros, monge beneditino, teólogo
Professor Candido Mendes, cientista político e reitor
Luiz Alberto Gómez de Souza, cientista político, professor
Zé Vicente, cantador popular. Ceará
Chico césar. Cantador popular. Paraíba/são paulo
Revdo Roberto Zwetch, igreja IELCB e professor de teologia em São Leopoldo.
Pastora Nancy Cardoso, metodista, Vassouras / RJ
Antonio Marcos Santos, Igreja Evangélica Assembléia de Deus - Juazeiro - Bahia
Maria Victoria Benevides, professora, da USP
Monge Joshin, Comunidade Zen Budista do Brasil, São Paulo
Antonio Cecchin, irmão marista, Porto Alegre.
Ivone Gebara, religiosa católica, teóloga e assessora de movimentos populares.
Fr. Luiz Carlos Susin – Secretário Geral do Fórum Mundial de Teologia e Libertação
Frei Betto, escritor, dominicano.
Luiza E. Tomita – Sec. Executiva EATWOT(Ecumenical Association of Third World Theologians)
Ir. Irio Luiz Conti, MSF. Presidente da Fian Internacional
Pe. João Pedro Baresi, pres. da Comissão Justiça e Paz da CRB (Conferência dos religiosos do Brasil) SP
Frei José Fernandes Alves, OP. – Coord. da Comissão Dominicana de Justiça e Paz
Pe. Oscar Beozzo, diocese de Lins.
Pe. Inácio Neutzling – jesuíta, diretor do Instituto Humanitas Unisinos
Pe. Ivo Pedro Oro, diocese de Chapecó / SC
Pe. Igor Damo, diocese de Chapecó-SC.
Irmã Pompeia Bernasconi, cônegas de Santo Agostinho
Cibele Maria Lima Rodrigues, Pesquisadora.
Pe. John Caruana, Rondônia.
Pe. Julio Gotardo, São Paulo.
Toninho Kalunga, São Paulo,
Washingtonn Luiz Viana da Cruz, Campo Largo, PR e membro do EPJ (Evangélicos Pela Justiça)
Ricardo Matense, Igreja Assembléia de Deus, Mata de São João/Bahia
Silvania Costa
Mercedez Lopes,
André Marmilicz
Raimundo Cesar Barreto Jr, Pastor Batista, Doutor em ética social
Pe. Arnildo Fritzen, Carazinho. RS.
Darciolei Volpato, RS
Frei Ildo Perondi - Londrina PR
Ir. Inês Weber, irmãs de Notre Dame.
Pe. Domingos Luiz Costa Curta, Coord. Dioc de Pastoral da Diocese de Chapecó/SC.
Pe. Luis Sartorel,
Itacir Gasparin
Célio Piovesan, Canoas.RS
Toninho Evangelista - Hortolândia/SP
Geter Borges de Sousa, Evangélicos Pela Justiça (EPJ), Brasília.
Caio César Sousa Marçal - Missionário da Igreja de Cristo - Frecheirinha/CE
Rodinei Balbinot, Rede Santa Paulina
Pe. Cleto João Stulp, diocese de Chapecó.
Odja Barros Santos - Pastora batista
Ricardo Aléssio, cristão de tradição presbiteriana, professor universitário.
Maria Luíza Aléssio, professora universitária, ex-secretária de educação do Recife
Rosa Maria Gomes
Roberto Cartaxo Machado Rios
Rute Maria Monteiro Machado Rios
Antonio Souto, Caucaia, CE
Olidio Mangolim – PR
Joselita Alves Sampaio – PR
Kleber Jorge e silva, teologia – Passo Fundo - RS
Terezinha Albuquerque
PR. Marco Aurélio Alves Vicente - EPJ - Evangélicos pela Justiça, pastor-auxiliar da Igreja Catedral da Família/Goiânia-GO
Padre Ferraro, Campinas.
Ir, Carmem Vedovatto
Ir. Letícia Pontini, discípulas, Manaus.
Padre Manoel, PR
Magali Nascimento Cunha, metodista
Stela Maris da Silva
Ir. Neusa Luiz, abelardo luz- SC
Lucia Ribeiro, socióloga
Marcelo Timotheo da Costa, historiador
Maria Helena Silva Timotheo da Costa
Ianete Sampaio
Ney Paiva Chavez, professora educação visual, Rio de janeiro
Antonio Carlos Fester
Ana Lucia Alves, Brasília
Ivo Forotti, Cebs – Canoas - RS
Agnaldo da Silva Vieira - Pastor Batista. Igreja Batista da Esperança - Rio de Janeiro
Irmã Claudia Paixão, Rio de Janeiro
Marlene Ossami de Moura, antropóloga / Goiânia.
Ir. Maria Celina Correia Leite, Recife
Pedro Henriques de Moraes Melo - UFC/ACEG
Fernanda Seibel, Caxias do Sul.
Benedito Cunha, pesquisador popular, membro do Centro Mandacaru - Fortaleza
Pe. Lino Allegri - Pastoral do Povo da Rua de Fortaleza, CE.
Juciano de Sousa Lacerda, Prof. Doutor de Comunicação Social da UFRN
Pasqualino Toscan - Guaraciaba SC
Francisco das Chagas de Morais, Natal - RN.
Elida Araújo
Maria do Socorro Furtado Veloso - Natal, RN
Maria Letícia Ligneul Cotrim, educadora
Maria das Graças Pinto Coelho/ professora universitária/UFRN
Ismael de Souza Maciel membro do CEBI - Centro de Estudos Bíbicos Recife
Xavier Uytdenbroek, prof. aposentado da UFPE e membro da coordenação pastoral da UNICAP
Maria Mércia do Egito Souza agente da Pastoral da Saúde Arquidiocese de Olinda e Recife
Leonardo Fernando de Barros Autran Gonçalves Advogado e Analista do INSS
Karla Juliana Souza Uytdenbroek Bacharel em Direito
Targelia de Souza Albuquerque
Maria Lúcia F de Barbosa, Professora UFPE
Débora Costa-Maciel, Profª. UPE
Maria Theresia Seewer
107. Ida Vicenzia Dias Maciel
108. Marcelo Tibaes
109. Sergio Bernardoni, diretor da CARAVIDEO- Goiânia - Goiás
110. Claudio de Oliveira Ribeiro. Sou pastor da Igreja Metodista em Santo André, SP.
104 . Pe. Paulo Sérgio Vaillant - Presbítero da Arquidiocese de Vitória – ES
106. Roberto Fernandes de Souza. RG 08539697-6 IFP RJ - Secretario do CEBI RJ
107. Sílvia Pompéia.
108. Pe. Maro Passerini - coordenador Past. Carcerária - CE
109. Dora Seibel – Pedagoga, caxias do sul.
110. Mosara Barbosa de Melo
111. Maria de Fátima Pimentel Lins
112. Prof. Renato Thiel, UCB-DF
114 . Alexandre Brasil Fonseca , Sociólogo, prof. da UFRJ, Ig. Presbiteriana e coordenador da Rede FALE)
115 Daniela Sanches Frozi, (Nutricionista, profa. da UERJ, Ig. Presbiteriana, conselheira do CONSEA Nacional e vice-presidente da ABUB)
116. Marcelo Ayres Camurça – Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião – Universidade Federal de Juiz de Fora
117. Revd. Cônego Francisco de Assis da Silva,Secretário Geral da IEAB e membro da Coordenação do Fórum Ecumênico Brasil
118. Irene Maria G.F. da Silva Telles
119. Manfredo Araújo de Oliveira
120. Agnaldo da Silva Vieira - Pedagogo e Pastor Auxiliar da Igreja Batista da Esperança-Centro do Rio de Janeiro
121. Pr. Marcos Dornel - Pastor Evangélico - Igreja Batista Nova Curuçá - SP
122. Adriano Carvalho.
123. Pe. Sérgio Campos, Fundação Redentorista de Comunicações Sociais – Paranaguá/Pr.
124. Eduardo Dutra Machado, pastor presbiteriano
125. Maria Gabriela Curubeto Godoy - médica psiquiatra - RS
126. Genoveva Prima de Freitas- Professora – Goiânia
127. M. Candida R. Diaz Bordenave
128. Ismael de Souza Maciel membro do CEBI - Centro de Estudos Bíbicos Recife
129. Xavier Uytdenbroek prof. aposentado da UFPE e membro da coordenação pastoral da UNICAP
130. Maria Mércia do Egito Souza agente da Pastoral da Saúde Arquidiocese de Olinda e Recife
131. Leonardo Fernando de Barros Autran Gonçalves Advogado e Analista do INSS
132. Karla Juliana Souza Uytdenbroek Bacharel em Direito
133. Targelia de Souza Albuquerque
134. Maria Lúcia F de Barbosa (Professora - UFPE)
135. Paulo Teixeira, parlamentar, são paulo.
136. Alessandro Molon, parlamentar, Rio de janeiro.
137. Adjair Alves (Professor - UPE)
138. Luziano Pereira Mendes de Lima - UNEAL
139. Cláudia Maria Afonso de Castro-psicóloga- trabalhadora da Saúde-SMS Suzano-SP
140. Fátima Tavares, Coordenadora do Programa de Pos-Graduação em Antropologia FFCH/UFBA
141. Carlos Caroso, Professor Associado do Departamento de Antropologia e Etrnologia da UFBA.
142. Isabel Tooda
143. Joanildo Burity (Anglicano, cientista político, pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco,
144. Prof. Dr. Paulo Fernando Carneiro de Andrade, Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, Professor de Teologia PUC- Rio
145. Aristóteles Rodrigues - Psicólogo, Mestre em Ciência da Religião
146. Zwinglio Mota Dias - Professor Associado III – Universidade Federal de Juiz de Fora
147. Antonio Francisco Braga dos Santos- IFCE
148. Paulo Couto Teixeira, Mestrando em Teologia na EST/IECLB
149. Rev. Luis Omar Dominguez Espinoza
150. Anivaldo Padilha - Metodista, KOINONIA, líder ecumênico
151. Nercina Gonçalves
152. Hélio Rios, pastor presbiteriano
153. João José Silva Bordalo Coelho, Professor- RJ
154. Lucilia Ramalho. Rio de janeiro.
155. Maria tereza Sartorio, educadora, ES
156. Maria jose Sartorio, saúde, ES
157. Nilda Lucia sartorio, secretaria de ação social, Espírito santo
158. Ângela maria fernandes -Curitiba paraná
159. Lúcia Adélia Fernandes
160. Jeanne Nascimento - Advogada em São Paulo/SP
161. Frei José Alamiro, franciscano, São Paulo, SP
162 -Ruth Alexandre de Paulo Mantoan

Fonte:

4a Feira do Livro de São luís será em Novembro.



A um mês para o início da 4ª Feira do Livro de São Luís, a Fundação Municipal de Cultura (Func) faz os ajustes finais para a realização do evento. Foram mais de seis meses de muito trabalho para moldar o que poderá ser visto no período de 12 a 21 de novembro na Praça Maria Aragão. Este ano, o evento tem como patrono o jornalista, escritor e roteirista ludovicense José Louzeiro, que também é o autor do tema: “O Livro é guia e instrumento da sabedoria.

Além do patrono, a Feira do Livro também homenageará mais seis personalidades literárias e culturais do nosso estado. São eles: Reynaldo Faray, Maria Aragão, Carlos de Lima, Rosa Mochel, José Maria Ramos Martins e João Mohana.

Durante os dez dias de evento, a organização espera receber um público visitante de 250 mil pessoas e uma movimentação financeira de aproximadamente R$ 3 milhões.

Criada através de Lei Municipal nº. 4.449 de 11 de janeiro de 2005, a Feira do Livro de São Luís busca promover a democratização do acesso ao livro e à leitura, fomentando os processos de criação e produção literária, assim como estimula a cadeia mediadora da leitura. Além de uma grande vitrine para dar visibilidade e valorizar a diversidade cultural maranhense e brasileira, veio consagrar a vocação natural de São Luís para a literatura e possibilitar ao público visitante a oportunidade de vivenciar um momento único que acontece somente uma vez ao ano.

ESTRUTURA - Este ano, a estrutura da Feira ocupará uma área de, aproximadamente, seis mil m², envolvendo a Praça Maria Aragão e todo o seu entorno, as instalações do Espaço Cultural, a Praça Gonçalves Dias e o Centro de Formação do Professor (Semed), na Rua Rio Branco, que durante o evento se transformará na Casa do Professor, onde acontecerão cursos, palestras e oficinas para educadores.

No Espaço Cultural funcionará o ‘Espaço do Livro’. Cerca de 60 estandes, com estrutura adequada e ambiente climatizado, reunirão editoras, livreiros e artesãos para exposição e venda de aproximadamente 70 mil títulos e produtos regionais. Ao lado do ‘Espaço do Livro’ funcionará o teatro Reynaldo Faray, o Espaço Biblioteca e a Praça de Alimentação.

Na Maria Aragão, serão instalados auditórios, estandes institucionais, tendas e salas climatizadas. Os estandes institucionais também participarão da programação, promovendo lançamento de livros, oficinas e exposições. Nesses espaços as instituições parceiras aproveitaram para estabelecer um contato mais aproximado com seu público de interesse e apresentar projetos e serviços prestados à sociedade.

PROGRAMAÇÃO - A extensa programação conta com cerca de 400 eventos, incluindo seminários, encontros, oficinas, cursos, rodas de conversa, lançamentos e relançamentos de livros, exibição de filmes e programações especiais para o público infantil e juvenil,distribuída em mais de 35 espaços, cada um com sua programação especial e direcionada para um público específico. Como é o caso do ‘Espaço Infantil’, que traz em sua programação contações de história, oficinas, espetáculos infantis, brincadeiras e jogos educativos.

Dentre os espaços mais visitados nas edições anteriores, destacam-se: a ‘Casa da Juventude’, com a programação voltada para o público jovem; o ‘Café Literário’, que se diferencia por aproximar o escritor do público em um bate-papo descontraído; e a ‘Casa do Escritor’, com o lançamento e relançamento de livros de escritores locais e de outros estados.

PARCERIA – O evento conta com a parceria do Serviço Social do Comércio (SESC-MA), Vale, Aliança Francesa, Associação dos Livreiros do Estado do Maranhão (ALEM), Academia Maranhense de Letras (AML), Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), Secretaria Municipal de Educação (Semed), Secretaria Municipal de Turismo (Setur), Fundação Municipal do Patrimônio Histórico (Fumph), Guarda Municipal, Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp), Secretaria Municipal de Saúde (Semus), Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

Fonte: Assessoria de Imprensa - FUNC/São Luís

PCdoB apresenta resultados eleitorais substantivos e cresce como força política importante no Maranhão










Foto:Convenção do PCdoB que homologou o nome de Flávio Dino ao Governo do Estado do Maranhão em 2010

Governador
Flávio Dino – 859.402 (29,47%)

Senador

Prof. Adonilson - 226.223

Deputados estaduais
Rubens Pereira Jr. – 30.301 (ELEITO)
Luciano Genésio – 13.132
Professor Marco Aurélio – 12.578
Fernando Furtado – 11.434
Júlio Guterres – 8.105
Dr. Antonio Reis – 6.372
Anibal – 2.934
Reginaldo N. Batista – 2.150
Celso Beckmam – 2.142
Prof. Márcio Rêgo – 1937
Rômulo Pestana – 1807
ANTONIO GONÇALO - 1.421
Pinto da Vila – 1.291
Luís Carlos – 1.063
Manoel Aguiar – 902
Dirceu Araújo – 740
Mariton Oliveira – 727
Raimundinho Lopes – 722
Prof. José Maria Moraes – 619
Orlando Melônio – 512
João do Sítio – 458
Rocha Rural – 442
Pedro Esau – 381
Pedro Araújo – 357
Dra. Rose Barros – 327
Ivelis – 319
Fátima Furtado – 287
Nonato de Bacabal – 238
JB Silva – 119
Enoc Lopes – 0

Deputados Federais
Tati Lima – 13.807
Professor Carvalho – 7.622
João da Gráfica – 5.399
Portelada – 5.191
Bonitão – 4.264
Dr. Patrick – 4.170
Marcelo Rosa – 3.500
Lúcia Olivira – 1.323
Francisco Dias – 997
Miramar – 850
Sérgio Gutemberg - 364

Em nível nacional o PCdoB elege 01 senador, (Vanessa Grazziotim, do Amazonas), 15 Deputados Federais e 19 Deputados Estaduais.